domingo, 19 de março de 2023

the end

 

quando a vida amarela

a gente sai de fininho

vai dormir no campo santo

o sono eterno


*


quarteto

 

meu leite não brotou para a primogênita

inflamou-se o meu peito para a caçula

porém a segunda - esta me mamou inteira

até mesmo quando a terceira

já habitava meu útero


*

pé atrás


onde crescem as certezas

minhas dúvidas proliferam


*

entrave


a ave a nave

a clave a chave

tudo fora do lugar

o tempo todo


*

o viúvo

 

ia de bengala - a pender pro lado

como se tentasse encostar em alguém

e movia os lábios

às vezes sorria

:

todos o olhavam

faziam comentários

as bodas de diamante

a festa no clube

a viagem de navio

(convites distribuídos 

passagens compradas)

seriam mê que vem


*


casulo

 

de me enrolar em fios desencapados

vou acabar chamuscando as asas


*

progresso

 

a bola de neve

presa no guindaste

foi arremessada

sobre a fachada

do velho cinema

esse amontoado

de madeira e entulho

suspiros e terra

amassos e beijos

dentro do escuro


*

reclusão

 

há mais de ano o sol não me lambe

nem o vento me levanta a saia


*

titia

 

ralava cenouras cebolas medos

picava folhas de couve 

quiabos espantos

cheiro-verde

até sangrar os dedos

e a solidão


*

certezas


exato

e é tudo tão preciso

que desconfio


segunda-feira, 3 de outubro de 2022

resistência

líria porto


viver é como subir
num pau de sebo
:
todos tentam chegar ao topo
e só com imenso esforço
uns poucos são capazes

*

esperança

líria porto

no último ato
a projeção do belo
não a agonia

*

dificuldades

líria porto


embora eu não queira
ocupas meus pensamentos
faço e desfaço projeções
a nosso respeito

(a timidez nos impede
passos adiante)

*

tímidos

líria porto

engraçados observadores
portadores de humor fino
inteligência aguçada
cuja curiosidade
leva-os a desvendar
a descobrir sozinhos
mistérios segredos
e chaves

*

constatação

 líria porto

atrás de um grande homem
uma mínúscula sombra

*

disfarces

líria porto


belzebu
anda de bandana
pra esconder o chifre
veste até batina
e faz dobradinha
com o satanás
:
todo puritano
é poluído

*

fofoca

líria porto

o que nunca existiu materializa-se
quando vira assunto

fóssil

líria porto

fanfarrão boquirroto
cabeça oca - boca
de esgoto

complexos

líria porto


meu amor alegre/triste
insiste em ser (in)feliz
sente dor e aflição
sensação de dependência
de incompletude

meu amor se pensa feio
queria ser diferente
acho que os seus espelhos
cujos olhos estão vesgos
entortam o seu reflexo

meu amor adolescente
esconde o nariz com máscara
o corpo com roupas largas
às vezes fala depressa
outras fecha-se em silêncio

meu amor
flor em botão

*

desalento

líria porto


um tanto calado
quieto num canto
que nem passarim
na muda das penas
ao ver tanta gente
por livre vontade
chafurdar na lama

(congresso e senado
sucursais do inferno
ninguém faz milagre
nem o pai)

*

sábado, 24 de setembro de 2022

surdez

líria porto

o silêncio entra por um ouvido
sai pelo outro e estoura ambos
os tímpanos

*

estetoscópio

 líria porto

o doutor ouve atentamente
as latidas do meu coração
esse ser sem pedigree

*

bênção

líria porto


tempo de chuva
abro as janelas
e o cheiro da terra
como um incenso
exala do chão
invade-me
as narinas

*

ô dó

líria porto

quem eu quero não me serve
quem me quer não se atreve

*


posseiro

 líria porto

queria ser meu dono
de papel passado
o invasor

*

projeto

líria porto

um pouco do tempo que me resta
não sei quanto
sirva para eu me cuidar melhor
perdoar-me os erros
respeitar meus limites
dar-me o colo a leveza
a compreensão
(esses clichês)
que desde sempre achei
que os velhos precisam
(faço-me promessas que não cumpro
e me trato com palha
e sabugo)
*

terça-feira, 20 de setembro de 2022

livramento

líria porto


por curiosidade
pandora abriu a caixa
e todos os males fugiram
:
doença
guerra
mentira
ódio

a esperança permaneceu presa
mas quando abrirem-se as urnas
o mulherio vai pari-la
e jogar fora
a placenta

*

camuflagem

líria porto


quando nasci
o sol polvilhou em mim
pó de pirlim pim pim
fiquei assim aluada
a alma cheia de sardas
bruxinha da pá virada
que jamais foi boazinha
:
eu faço revolução

*

hombres

líria porto


eu tinha um amigo
que me tratava como namorada
e era mais que amigo

eu tinha um namorado
que me tratava como amiga
e era quase marido

(eu era meio bígama)

*

fantasma

líria porto


vou morrer ressuscitar
cobrir-me com lençol
branco

*


haicai

líria porto

chuva é quando o céu
num ato de desapego
abre mão da nuvem

*


haicai

líria porto


a lua entre nuvens
parece até brincadeira
pique de esconder

*

dos exploradores

líria porto


a dona do bordel
nunca teve orgasmo
nunca foi ao céu
e se houver deus
e se ele for justo
vai penar no quinto
dos infernos

*

puta velha

líria porto


pés de galinha
ciscam em torno dos meus olhos
e são muitas as ranhuras
dor nas costas dor nas juntas
qualquer hora deito e durmo
nunca mais acordo

(não reclamo
fui feliz)

*

o velho da van

líria porto


agarrado em pau fino
qual fosse carrapato
o cabo eleitoral

*

xilindró

líria porto

o velho vândalo
um tipo verde/amarelo
atrás das grades

*
 

naufrágio

líria porto


âncora desunhada da areia
e a embarcação repleta
à mercê das ondas

*

cash

líria porto


nem cheque nem pix
deem a madame mimi
moeda corrente


haicai

líria porto


aguardar a chuva
recostada no barranco
a sede exposta

*

peça de campanha

líria porto


não é com facada
e nem com insulto
vamos eleger
com amor e cuidado
nosso presidente
no primeiro turno
digitem o 13

e muita atenção
governo do estado
senado e congresso
há os candidatos
do time do lula
(anotem seus números
levem-nos à urna)

sejamos felizes
e viva o brasil

*

desejo

 líria porto


meu amor é pombajira

canta dança bamboleia

e sem peia rodopia

planta flor no meu umbigo

monta firme no meu dorso

beija lambe até mordisca

e eu subo nas paredes

trepo em cima dos telhados

solto uivos - cada grito

fico acesa igual faísca

labareda em mato seco


*

haicai

líria porto


no tronco da árvore
sem o corpo da cigarra
antigas casacas

*

batalha

líria porto


formiguinhas doceiras
deixam um rastro fedido onde passam
e avisam - está declarada a guerra
preparem-se

*

giselle

líria porto


mulheres domesticadas
procriam e domesticam
suas crias

subterrâneo

líria porto

o inconsciente
é mais que um cofre
nele escondemos
nossos segredos
e nossos códigos

durante o son(h)o
alguns vêm à tona
bem disfarçados
ou na redoma
(e nenhum é óbvio)

*

curiosidade

líria porto


pandora libertou todos os males

(doenças guerras mentiras ódios)

ficou presa apenas a esperança

:

quando se abrirem as urnas

ela será libertada pela maioria

das mulheres


*


frigidez

líria porto


quando eu for a saturno ou netuno
e voltar à terra
coberta por diamantes
direi aos homens - tomei chuva
onde o granizo 
                 não desaparece


*

luiza

líria porto


na hora e vez do ipê rosa
nossa flor de cerejeira

*

treze

líria porto


fracotes precisam de fuzil
gente aguerrida muda as coisas
com trabalho
:
simbora virar voto

*

pedaços

líria porto 


um passo
um osso
um braço
um fosso

cabeça
corda
pescoço
facão

assassinato

*

fragrâncias

líria porto


a manhã cheira
a noite sua
e o suor da noite
é quase tão cheiroso
quanto os odores
do dia
:
pergunte à lua

*

vareta

líria porto


o segredo - a chave
que abre o imbróglio
do mercado
:
quem sabe?

*

limites

líria porto

quando me falta
o que desejo
olho ao redor
faço um balanço
e o que me sobra
é sempre tanto
:
então pergunto
preciso mesmo?

por quê?
pra quê?

(sacos têm fundo)

*

locação

líria porto

destino de poça
é o mesmo lugar
:
morar num buraco
enquanto possa

(depois que passe
o temporal)

*

finalização

líria porto

 

não ia de mala e cuia

deixava coisas pra trás 

a porta entreaberta

 

foi/voltou vezes seguidas

com intervalo de meses

eu fingia que não via

 

um dia – quando partiu

preparei minha bagagem

e fui embora 

                     co'a chave


*




quarta-feira, 27 de julho de 2022

sangria

líria porto


a morte do eu - a morte doeu
porém menos que a vida


jair

líria porto 


e agora jair?
seu governo acabou
(nem chegou a existir)
e a fome aumentou
e o povo sofreu
e agora jair?
e agora você?
você que é cruel
que agride as pessoas
que faz ameaça
que mente e odeia
e agora jair?
está sem discurso
promove a balbúrdia
renega a ciência
já não pode fingir
já não pode negar
atirar já não pode
e a noite gelou
o dia escureceu
o choro aumentou
a alegria não veio
não veio a esperança
e tudo dá medo
e tudo dá nojo
e tudo murchou
e agora jair?
e agora jair?
sua palavra é torpe
seu instante é de queda
sua gula de confronto
sua falta de rumo
sua motociata
sua milícia
sua insolência
sua maldade
jair - e agora?
sem poder e sem crédito
quer sair do país
não existe país
quer ser importante
o povo o renega
quer voltar pro palácio
trancaram-lhe a porta
jair - e agora?
se você corresse
se você fugisse
se você se escondesse
usasse disfarce
mas você não consegue
e agora padece
qual bicho acuado
sem luxo ou conforto
sem cavalo do exército
que o leve pra longe
você está perdido
e agora jair - vai pra onde?

*
(baseado na estrutura do poema "josé"
de carlos drummond de andrade)

a duras penas

líria porto

para muitos - nós
escritores falidos
autores de livros de poesia
contentar-nos-íamos em pastar pétalas
e lamber estrelas
(e a feira
o bar
o mercadinho
a botica
tão inatingíveis
quanto a livraria)

*

barro

líria porto

bonita
como água cristalina
a menina cor de terra
:
eva

*

brinde

líria porto


dentro de mim mora um banjo
e também mora um cavaco
que entre tantos entretantos
rendem homenagem
a baco

*

seleção

líria porto


catava os feijões
fazia-o tão devagar
durante ficava muda
a falar consigo mesma
separar sempre os melhores
os que pudessem brotar
(como se escolhe um amigo)
os outros deixar pra lá
os carunchados
os murchos

*

metáfora

líria porto

figura de linguagem
palavras que a gente usa
para falar de outra coisa
e designar semelhança

*

grisalha

líria porto

esperou de pé
esperou sentada
esperou deitada
mas o tempo
que não espera ninguém
e nem nada
passou por ela

*

âmago

líria porto

do cerne dos seres
das coisas dos acontecimentos
brotam as palavras que os nomeiam
que os descrevem
uma rosa é uma rosa
uma flor - um nome de mulher
um conjunto de pétalas
perfumosas
o cão é um diabo?
sim e não
conforme

*

os putos

líria porto


mamam na pátria
os filhos da mãe
alimentam-se dela
abusam-na
mordem seus seios
mentem que a amam
e vendem-na
como prostituta

*

gênios

 líria porto

há alguns
são mais e melhores
que todos

terça-feira, 5 de julho de 2022

ardente


líria porto

araxá é uma cratera
um dragão adormecido
à noite ouço algum ronco
:
se o vulcão despertar
vou pelos ares
*

segunda-feira, 9 de maio de 2022

feeling

líria porto


por mim passava batido

que não reparo em detalhe

(não de propriedade vestuário 

ou decoração de casa)

porém aquelas minúcias

que se referem a carácter

estas jamais me escapam


domingo, 3 de abril de 2022

haicai

líria porto


o sol nascente

e a passarada se alegra

co'a luz da manhã


*

proparoxítonas

líria porto

existem palavras
com a perfeição de um ovo
acomodo-me sobre elas
igual galinha no choco
(não movo uma pálpebra)
mas quando bicam a casca
e nasce a ninhada
piu piu piu
comemoro

*

escuridão

 líria porto


de onde vim e vou para onde
se antes não vi e depois
nem depois
pois tudo o que dizem
são só teorias
visões
invenção
e esse intervalo chamado de vida
é apenas um hífen
um traço que junta
o berço
à sepultura
* líria porto

ensolarados

líria porto

eu - branquicela
tenho uma queda
por amorenados
(bicho-de-goiaba
basta)

*



quinta-feira, 16 de dezembro de 2021

punhalada

 líria porto


risinhos da minha aldeia

a ironia o deboche

maledicências traduzem

a sordidez dessa horda

:

a hipocrisia


* líria porto 

quinta-feira, 2 de setembro de 2021

contraproposta

líria porto


eu voo e volto
às vezes fico
não me demoro
então querido
casa com outra
e prosseguimos
tal como somos
bem mais que amigos
e para sempre
felizes
:
cada qual
no seu refúgio

*

morte

líria porto


é quando a pele
tem a palidez
do susto

*

tensões

líria porto


a morte puxa de um lado
a vida puxa do outro
até que a corda arrebente
do lado mais fraco

*

molambo

líria porto


igual a nudez
vestir roupa velha
conforta-me a pele
e o espírito

*

dia sete

líria porto

marcha sol/da/do
cabeça de pe/ni/co
di/rei/ta é doutro lado
esquerda é onde fico

*

engrenagem

líria porto

dissemos tudo que havia para nos dizer
com saudade palavras e silêncios
tomou coragem - deitou-se em meu canto
e na concha tão perfeita de dois corpos
adormecemos e sonhamos
o mesmo son(h)o

(e tivemos os mesmos pesadelos)

*

ostra

líria porto


o sol engravida-me o cérebro
criadouro de tantas ideias
as inviáveis aborto
:
deixo nascerem
as pérolas

*

ignorância

líria porto


ofender desrespeitar desqualificar
são atos e tática dos autoritários
seres abjetos à busca de confronto

quem é incapaz de enxergar o outro
de compreender o que é sofrimento
dá co'os burros n'água

a qualquer momento

*

dedicatória

nus descampados (im)puros
fiamos o plenilúnio

(líria porto)



*















quem tem pena de passarinho
é passarinho

(líria porto)

Arquivo do blog