sexta-feira, 28 de setembro de 2018

veloz

líria porto

o tempo galopa faísca derruba-nos
enquanto a gente pisca

*

pétalas de márua

lítia porto

as flores a primavera
as boas coisas queridas
surgem como cascata

*

quinta-feira, 27 de setembro de 2018

sedução

líria porto

qual linguiça na grelha
a fedelha provoca os homens
com sua pele de bronze
estirada na areia

*

segunda-feira, 24 de setembro de 2018

facho

líria porto

a luz invade os escuros
passa debaixo da porta
salta as janelas os muros
arromba todos os furos
a luz não cabe >>>>>>>>
>>>>>>>>>>>onde mora

*

sexta-feira, 21 de setembro de 2018

poema para zita

líria porto

tal como as orquídeas
floriu no abandono
não criou raiz
viveu agarrada
(e dependente)
a sugar homens
que nada entendem
de flor

*

virgens

líria porto

fechadas em noz
a_penas come a castanha
quem rompe o lacre

o prazer não é instantâneo
só chega às bem lambidas
e mastigadas

*

haicai

líria porto

escola infantil
a algazarra das crianças
ultrapassa os muros

*

quinta-feira, 20 de setembro de 2018

solidariedade

líria porto

se eu olhar para o mundo
e só vir a minha dor
só sentir meu sofrimento
pensar que eu sou o único
algo estará muito errado
pois meu irmão também chora
sente fome sede frio
pode precisar de mim
como eu preciso dele

*

do cabaço

líria porto

não guarda qualquer lembrança
da perda da virgindade — teria sido traumática
ou tão somente uma transa?

*

quarta-feira, 19 de setembro de 2018

haicai

líria porto

lágrimas das mães
das avós e das crianças
o sal do oceano

*

terça-feira, 18 de setembro de 2018

parasita

líria porto

os desejos da ameba
circunscritos ao que ela conhece
não passam dos intestinos

*

segunda-feira, 17 de setembro de 2018

bote

líria porto

abrires o bucho da víbora
não vai reduzir-lhe uma gota
da maldade e da peçonha

*

domingo, 16 de setembro de 2018

chucrute

líria porto

se eu mudar para a alemanha
sem conhecer a cultura
sem falar o idioma
não quiser comer repolho
e não gostar de salsicha
o que vou fazer da vida?

melhor ficar por aqui
onde tem muita lambança
injustiça preconceito
salafrários vivem à solta
o salário é mixuruca
mas tem arroz tem feijão
farofa queijo linguiça
cachaça caipirinha
meus compadres
meus amigos
sol aceso
céu azul

(vou ser feliz de novo)

*

sexta-feira, 14 de setembro de 2018

passos

líria porto

não vou te arrastar para a minha causa
prefiro ir sozinha — não quero me sentir responsável
por tua (in)felicidade
:
se eu quebrar a cara
cato meus caquinhos
e prossigo

*

haicai

líria porto

qual barca de luz
atravessa a escuridão
a lua crescente

*

descoragem

líria porto

homens não pedem divórcio
(a não ser que já tenham se organizado
com outra mulher)
no entanto fazem o diabo
e nos infernizam
até que tomemos
nós mesmas
a iniciativa

*

esperança

líria porto

dias a mais dias amenos
de paz e sossego — de envelhecer
sem aflição

*

equívoco

líria porto

tu me desejavas mal
querias-me como serva
não como mulher

*

perene

líria porto

o meu amor morreu e ainda penso nele
não sinto interesse por nada dessa espécie
por mais que eu quisesse matar o sentimento
meu velho coração é tolo imprudente
repete não e não — garante que é pra sempre
nasceu pra ser eterno

*

quinta-feira, 13 de setembro de 2018

haicai

líria porto

qual barca de luz
atravessa a escuridão
a lua crescente

*

quarta-feira, 5 de setembro de 2018

borrão

líria porto

matar a memória é passar o apagador
numa história escrita a giz
:
a história do meu país

*

haicai

líria porto

toda a passarada
na algazarra matinal
céu azul celeste

*

descarte

líria porto

nosso lixo é nossa intimidade
cabe a nós mesmos botá-lo fora

*

terça-feira, 4 de setembro de 2018

mastite

líria porto

frágil como o bebê em seu seio
a mãe recém-nascida

*

dúbio

líria porto

a boca do vento
sopra minhas dores
mas às vezes quer
mordê-las

*

luzia

líria porto

a musa do museu
morreu duas vezes

*

dúbio

líria porto

a boca do vento
sopra minhas dores
mas às vezes morde-as

*

instáveis

líria porto

num mundo de consumo
tudo é descartável
até as pessoas

*

domingo, 2 de setembro de 2018

marco

líria porto

sem nos distanciar dos princípios
aproximamo-nos do fim

*

cobranças

líria porto

o reflexo do espelho
olha-me tão severo
e não é isso que espero
:
olhasse-me com indulgência
alguma cumplicidade

*

dedicatória

nus descampados (im)puros
fiamos o plenilúnio

(líria porto)



*















quem tem pena de passarinho
é passarinho

(líria porto)

Arquivo do blog