quinta-feira, 30 de maio de 2019

em órbita

líria porto

a terra em volta do sol
a lua em torno da terra
e no mundo da lua
os românticos
os poetas

*

futuro

líria porto

um dia a gente descobre
nada nos cai do céu
quase tudo que nós temos
é resultado da luta
dos que nos antecederam

os nossos filhos
os netos
terão orgulho de nós?
:
em qual mundo viverão?

*







em qual mundo viverão?

segunda-feira, 27 de maio de 2019

nós e laços

líria porto

zezinho dorme tranquilo
ao lado de sua avó
ele o início ela o fim
de um encontro bonito
entre uma velha e um menino
que se querem muito bem
e contam boas histórias

*

domingo, 26 de maio de 2019

distração

líria porto

saiu por aí
voou descuidado
pousou no telhado
cantou solfejou
despertou o gato
que num pulo só
inhoc
:
era uma vez
um canário

*

sábado, 25 de maio de 2019

autoria

líria porto

parir um texto demanda
gestação paciência
e dor

*

uvas verdes

líria porto

corro atrás do que desejo
persigo-o até me cansar –– só então
dou-me uma trégua
:
não sou de malhar em ferro

*

quinta-feira, 23 de maio de 2019

destino

líria porto

um dia qualquer
à espera de alguém
tu bem sabes quem
porém ignoras
o seu sentimento
os seus pensamentos
o cheiro que tem

(que demora)

*

quarta-feira, 22 de maio de 2019

xô tristeza

líria porto

em dias de muita chuva
dou vazão às lágrimas
:
a viuvez e as nuvens
correm juntas pra enxurrada
mergulham no córrego
no rio
e dessalgam o mar

(raramente poças d'água)

*

terça-feira, 21 de maio de 2019

centímetros

líria porto

entre as pernas das mulheres
chegam minhocas com a sanha das cobras
e retornam ao estado de origem

*

bravura

líria porto

com uma adaga
vencia a espada
do valentão

*

poetar

líria porto

desembainhar a palavra
com a precisão da katana
de um samurai

*

segunda-feira, 20 de maio de 2019

opressão

líria porto

na cela do alazão –– uma baia apertada
só cabe seu corpo sem sela
o cocho de feno
e um balde d'água

(nenhum sonho de liberdade
nenhum pinote)

*

a nova política

líria porto

quase um batalhão
oitenta balaços
e um artista negro
a tingir de sangue
o chão da sua pátria

o que fazia ele
o mártir?

levava a família
comemoravam a vida
de um menino negro
que um dia será vítima
do mesmo preconceito

*

borboletas

líria porto

estas nuvens que nos cobrem
grávidas de tempestade
precisamos vento forte
para abortá-las
:
empunhemos nossos leques
agitemos nossas asas

*

à man'cheia

líria porto

minha janela são muitas
e tantos passam por ela
os reis vassalos
as putas bruxas e fadas
cavaleiros e cavalos
sapos peixes
astronautas
:
minhas janelas é única

*

quarta-feira, 15 de maio de 2019

insossas

líria porto

há pessoas que parecem flor de plástico
não são feias –– porém não fedem
nem cheiram

*

...

líria porto

o dia começa chocho
o vento não move palha
por dentro esse marasmo
sequer o gosto amargo
dos cabos de guarda-chuva
e o sol fosco
nada diz
:
quem morre hoje
quem nasce
alguém faz aniversário
algo há que nos anime
a botar o pé na lua?

homens de bem

líria porto

em nome de deus e do lucro
professam suas virtudes

(e todo o mais
que se exploda)

*

segunda-feira, 13 de maio de 2019

inundação

líria porto

amar lua sol estrela
é fácil pra qualquer um
quero ver amar a nuvem
que nunca parece a mesma
vai-se com qualquer vento
e quando vem pra valer
é choradeira é lama
relâmpago raio
e trovão

*

admiração

líria porto

o sol olho-o de relance
porém firmo o olhar na lua
as mulheres mais que os homens
suportam olhares profundos

*

domingo, 12 de maio de 2019

injustiças

líria porto

a vida tem um peso
e muitas medidas

*

anatomia

líria porto

ele tem dois lados esquerdos
coração em dobro e seu corpo
não fabrica bílis

*

sábado, 11 de maio de 2019

restrições

líria porto

ofertaste-me o belo
aceitarias a_penas
plumas?

*

desigualdade

líria porto

a vida tem um peso e muitas medidas
(a isso chamo injustiça)

*

líria porto

tinha/tenho
muito pouca
paciência

tudo nada
muda cega
surda

passada

*

haicai

líria porto

orelhas de abano
os silêncios da savana
o elefante escuta

*

sexta-feira, 10 de maio de 2019

sonho

líria porto

mar vinha mar ia
todo o balanço das ondas
no colo materno

*

sacana

líria porto

poesia me esculhamba
manipula me domina
depois parte –– vai embora
pro puteiro
ao bar da esquina
enche a cara vai em cana
sai e diz que ainda me ama
eu a levo para a cama
e assim a gente vive
:
e morre
e vive

*

quinta-feira, 9 de maio de 2019

rédeas

líria porto

mulheres alargam os passos
minorias avançam –– assumem
o comando
:
o phoder não se conforma
inventa leis casuísmos
mas porém perde
terreno

*

aborrecimento

líria porto

muita vez exagerada
quase sempre irreverente
maria recorre ao silêncio
pra dizer tudo que sente

*

a sorte na palma da mão

líria porto

um dia chegavam
sem qualquer aviso
montavam as tendas
moravam sob lonas
aquelas famílias

as donas casadas
de saias de roda
estampas babados
lenços nos cabelos
brincos de medalhas

as moças solteiras
suas tranças compridas
os braços o pescoço
cobertos por joias
correntes de ouro

os homens morenos
fortes torso nu
forjavam o cobre
fabricavam os tachos
vendiam-nos nas ruas

bebiam dançavam
tocavam violino
depois iam embora
que não tem parada
a vida dos zíngaros

(eu era pequena
temia os ciganos
pensava que eles
roubavam crianças
levavam-nas das mães)

*

ampulheta

líria porto

o tempo que já passou
o tempo que ainda tenho
o tempo que faltará
e não me resta mais tempo
para matar o tempo

*

terça-feira, 7 de maio de 2019

la muerte

líria porto

não sei como não sei onde
sequer sei quando ou por quê
só sei que inevitável

*

estranhamento

líria porto

meu verso era alegre
ficou taciturno
eu sinto saudades
de quando as palavras
chegavam até mim
e sorriam

(que tempos são esses
sou eu ou são eles?)

*

segunda-feira, 6 de maio de 2019

áspero

líria porto

o lençol em desalinho
não é cetim nem percal
sequer tem cento e cinquenta fios
são quatro sacos de farinha
(algodão cru)
encardidos remendados
sobre o colchão de capim
onde a gente dorme
e come mal

*

roleta

líria porto

marés de sorte de azar
os ventos contra
a favor
e a vida sempre à mercê
do faz ou não faz
de conta

*

tromba d'água

líria porto

o tempo que a chuva
deixou de chover
choveu de uma vez

do jeito que os deuses
acertam as contas
com o povo miúdo

é tudo
ou nada

*

domingo, 5 de maio de 2019

ui

líria porto

trepei no muro
comi o conde

quando? onde?
nos velhos temp(l)os

*

nudez

líria porto

poetar é adormecer na geleira
e acordar na lava do vulcão

*

acessório

líria porto

o vento é o leque
desta madame chiquérrima
chamada natureza

*

sábado, 4 de maio de 2019

olhar

líria porto

ser poeta
e ver uma reta e escrever
sobre um circo

*

embriaguez

líria porto

a boca é grande
mastiga mastiga mastiga
mas não engole
e o bolo na garganta
(espécie de rolha)
misturado com saliva
cospe ou vomita
:
bebe outro copo
de vodka

*

haicai

líria porto

sexta-feira santa
a lua feita a compasso
mais cheia impossível

*

autoconhecimento

líria porto

pelos caminhos transversos
vim ao encontro de mim
e para isso fiz versos
e comi muito capim

*

haicai

líria porto

as gotas de orvalho
dentre as folhas do gramado
pequenos brilhantes

*

haicai

líria porto

a vista não passa
a neblina é uma muralha
cortina de tule

*

laços

líria porto

o velho a velha
rumo à pracinha
para a ginástica
conversam riem
falam do tempo
e do passado
:
uns movimentos
logo se cansam
retornam à casa
vão de mãos
dadas

(parece pouco?
pois é o máximo)

*

rédeas

líria porto

mulheres alargam os passos
minorias avançam –– assumem
o comando
:
o phoder não se conforma
inventa leis casuísmos
(perde terreno)

*

antecipadamente

líria porto

sabia da fama dos homens
não iria traí-los por vingança
mas por precaução

*

análise

líria porto

pra dormir bem e melhor
obter sonhos tranquilos
precisou matar os monstros
amansar todos os grilos

*

cócegas

líria porto

se o mar ficasse parado
quieto igual um espelho
meteria meu bedelho
cutucava-lhe a pança

quando a alegria voltasse
qual balanço de criança
eu iria numa prancha
à crista do azul

*

sumidouro

líria porto

doar os seus beijos
deixar que se insurjam
dentre os travesseiros
dos homens maduros
que saibam o sabor
do amor e da dúvida
e não tenham medo
de um dia perdê-los
pois os sentimentos
por fortes que sejam
não duram pra sempre
um dia diluem-se
e deixam um travo
na boca

*

sexta-feira, 3 de maio de 2019

consequentes

líria porto

eu não sei se vale a pena
arriscar todas as fichas
num projeto tão pequeno
no resumo de uma vida

se pensamos um no outro
eu começo continuas
e qual elo da corrente
outra mão segura a tua

*

quinta-feira, 2 de maio de 2019

calma

líria porto

um passo após outro
sem atropelar as palavras
os acontecimentos
:
devagar
de vagar
divagar
sem relógio
nem bússola

*

proibido pisar

líria porto

nem que eu poça
cheia de lama
deixava esses porcos
chafurdarem-me
a alma
:
aqui não
violão

*

incapacidade

líria porto

nenhum(a) personagem escolheu-me
para escrever sua história
(sacanagem preconceito
falta de compaixão)
dar-lhe-ia páginas palavras
coragem romance
e meu sangue
em troca

[que a culpa dele(a)]

*

magnânimo

líria porto

nosso avô
imperador dom elias porto das arábias
comunista de carteirinha
soberano e vassalo do meu coração
vivia cercado de netos
fazia-nos todos os gostos
governava-nos com amor
e bondade

*

quarta-feira, 1 de maio de 2019

mulher bomba

líria porto

para explodir os malditos
o meu corpo envelhecido
envolto em pólvora
e dinamite

*

rapinagem

líria porto

juan verde era um ratinho
que –– com vara curta
cutucava o gato maduro
moreno e bigodudo
chamado nicolás

outros roedores
o topete e o pé de chinelo
botavam pilha
queriam roubar o ouro negro
do quintal do meu vizinho

(tá ruço)

*

dedicatória

nus descampados (im)puros
fiamos o plenilúnio

(líria porto)



*















quem tem pena de passarinho
é passarinho

(líria porto)

Arquivo do blog