quinta-feira, 27 de junho de 2019

declínio

líria porto

a vida verga
vai de bengala
e desce morro
e cai na escada

*

despenhadeiro

líria porto

ainda que eu quebre a ampulheta
arranque os ponteiros do relógio
impossível deter o tempo
que vai como um rio
rumo à foz

*

na marra

líria porto

a vida tem mão pesada
aplica o tempo em nosso corpo
qual fosse injeção ou poção
boca abaixo

*

dourados

líria porto

nós poetas criamos poemas
que a poesia ela mesma se faz
e nem sempre se doa às nossas
bijuterias

*
líria porto

vou no domingo
voo de vassoura
e levo o corvo

*

da igualdade

líria porto

o esqueleto que mora em mim
saúda o esqueleto que mora dentro
de todo mundo
:
poderosos e mendigos

*

desassossego

líria porto

a poesia
não tem meio-termo
ou gruda na gente
ou desaparece

*

sábado, 15 de junho de 2019

invernal

líria proto

no tempo dos cabelos sem cor
homens e mulheres
desfolham-se

*

duração

líria porto

o dia pode parecer-nos longo
porém a vida é curtíssima

*

sexta-feira, 14 de junho de 2019

maricota

líria porto

ganhei de presente
a boneca que fala que canta
e protesta
:
queremos escola
e cachorro-quente

*

o menino

líria porto

zezim tinha asas
(tem duas pintas nas costas
marcas do lugar)
preferiu se entortar em meu neto
e é passarim
:
um anjo do avesso

*

quinta-feira, 13 de junho de 2019

haicai

líria porto

na noite de outono
um barco na escuridão
a lua crescente

*

terça-feira, 11 de junho de 2019

ama_zona

líria porto

meu coração
plantado na floresta
afogado no rio
morre e brota
todo dia

*

fuga

líria porto

vou-me embora pra saturno
viver cercada de anéis
ter ao menos sete luas
uns quatro ou cinco arco-íris
e treze estrelas vermelhas
:
vens comigo?

*

segunda-feira, 10 de junho de 2019

arruaceiro

líria porto

corro empurro espalho –– sou o vento
um ser sem cabimento um rebelde
sem calça

*

gaiola

líria porto

na troca das penas
passarinho fica mudo
cárcere privado

*

secura

líria porto

no sertão do meu ser
esse jeito de ser tão árido
desprovido de verde
(e amarelo)

*

zumbi

líria porto

quando me obrigo a fazer versos
(a poesia sumiu do mundo)
cavouco palavras co'as unhas
dou passos incertos
qual um viciado
cuja abstinência
transforma-o em trapo
em farrapo humano

*

precisão

líria porto

quando desplugo o desejo
sequer te preciso ver

porém se o deixo ligado
a tua ausência é um fardo

e quase morro de fome
e quase morro de sede

*

combate

líria porto

embora haja flores passivas e humildes
como as margaridas e as violetas
os girassóis são valentes as orquídeas resistem
e as rosas têm unhas pontudas
(não se negam à luta)
:
ainda mais as vermelhas

*

domingo, 9 de junho de 2019

tempos sombrios

líria porto

essa gente tosca
não gosta de povo
quer matar-nos todos
jogar-nos no abismo
da fome e do frio

a lei trabalhista
a da previdência
as suas propostas
atiram no ralo
o nosso destino

não tem mais saída
é greve geral
é gente na rua
a única força
capaz de contê-los

à luta
que a vida
é curta
e eles
não são deuses

* líria proto

terapia

líria porto

escrivaninha é divã
onde deito frustrações
e encantamentos

(enquanto escrevo
capino-me –– separo trigo
de umbigo

*

cloaca

líria porto

o poema é ovo
redondo e perfeito
não tem outro jeito
o poeta é ave

penoso ter asas
(a dor é no cu)

*

mulher

líria porto

menina –– flor em botão
abre pétala por pétala
e em pouco desabrocha
abre as pernas abre a mente
conquista louros diplomas
transforma o mundo
até que um dia desfolha
e vira adubo

*

sábado, 8 de junho de 2019

féretro

líria porto

eu vi a noiva morta
num ataúde de nuvem
o buquê em suas mãos
os cabelos soltos
:
quem a transporta?
o vento

*

brrrrrrr

líria porto

no frio
tomo banho todo dia
mas chio

quisera hibernar
dizer solenemente –– não vou
tal fosse um urso polar

*

quinta-feira, 6 de junho de 2019

percepção

líria porto

o que é a poesia
senão um momento
de espanto e emoção

*

quarta-feira, 5 de junho de 2019

haicai

líria porto

no meio da praça
fria polida de pedra
sem alma –– uma estátua

*

sem drama

líria porto

num dia ou noutro
sem mais nem menos
damo-nos conta
ficamos velhos

a gente esconde
pinta os cabelos
preenche as rugas
estica a pele

por algum tempo
isso funciona
porém a morte
ninguém engana

leva um amigo
algum parente
e a qualquer hora
quem vai?
:
a gente

*

terça-feira, 4 de junho de 2019

lupa

líria porto

detetive é o cara
que acha chifre em cabeça
de casal

*

segunda-feira, 3 de junho de 2019

paixão

líria porto

matéria explosiva
entre as costelas e as vértebras
nitroglicerina

*

lavoura

líria porto

cavouco versos co'as unhas
algum cavaco me fere
no barro de sangue e terra
há uma espécie de húmus
poemas à flor da pele

*

entrega

líria porto

de ti de tantos de todos
de mão em mão
que o corpo é generoso
a matar-nos a fome
a sede
o desejo

*


o pai

líria porto

sensível
fama de durão
família grande
(nove rebentos)
não iria desvaler-se 
sair dos trilhos
a isso se propôs 
:
morreu em paz

*

momento

líria porto

hora de orar a chuva
só depois tecer o verso
:
enquanto chorar a nuvem
deixar sangrar todo o resto

*

haicai

líria porto

uma bola branca
o cãozinho serelepe
seu corpo de nuvem

*

domingo, 2 de junho de 2019

dominical

líria porto

ao picadinho de carne
gostoso
bem temperado
juntar suco de tomate
uma colher de açúcar
champignons creme de leite
depois servir com arroz
batatas fritas
e vinho

*

dedicatória

nus descampados (im)puros
fiamos o plenilúnio

(líria porto)



*















quem tem pena de passarinho
é passarinho

(líria porto)

Arquivo do blog