sexta-feira, 21 de setembro de 2018

poema para zita

líria porto

tal como as orquídeas
floriu no abandono
não criou raiz
viveu agarrada
(e dependente)
a sugar homens
que não entendiam
de flor

*

Nenhum comentário:

dedicatória

nus descampados (im)puros
fiamos o plenilúnio

(líria porto)



*















quem tem pena de passarinho
é passarinho

(líria porto)

Arquivo do blog