domingo, 24 de junho de 2018

pão fresco

líria porto

ele vinha camuflado
óculos jaqueta boné
olhava de um lado
doutro
(passos rápidos)
entrava –– trancava a porta
dirigia-se a meu quarto
e só então mais tranquilo
beijava-me e se despia

após umas duas horas
vestia tudo de novo
saía meio fugido
passava na padaria
aquela perto da praia
(para apagar as pegadas)
e voltava para casa

Nenhum comentário:

dedicatória

nus descampados (im)puros
fiamos o plenilúnio

(líria porto)



*















quem tem pena de passarinho
é passarinho

(líria porto)

Arquivo do blog