sexta-feira, 8 de abril de 2016

em bloco

líria porto

um verso que sangre
que corte na carne
que doa o bastante
promova o calvário

um verso qual faca
espécie de lâmina
que force que faça
viver sem disfarce

um verso concreto
de pedra e cimento
com barras de ferro
fincadas por dentro

um verso sincero
sem bolha ou fissura
que fale a verdade
e enfrente a censura

*

Nenhum comentário:

dedicatória

nus descampados (im)puros
fiamos o plenilúnio

(líria porto)



*















quem tem pena de passarinho
é passarinho

(líria porto)

Arquivo do blog