quarta-feira, 31 de dezembro de 2014

o projeto

líria porto

os tratores as motosserras
os trabalhadores
um apartamento por andar
elevador piscina sauna
três vagas na garagem
área de lazer academia
lojas no térreo

(os mendigos debaixo da marquise)

*

in_direta

líria porto

uma farpa uma felpa um alfinete
com a forte intenção de nos futricar

(sem dar na vista)

*

terça-feira, 30 de dezembro de 2014

queda de braço

líria porto

na palma da mão um triângulo
sobre o triângulo uma ilha
onde se esconde um demônio
que se diz forte
invencível

ou dou o braço a torcer
ou ele acaba comigo

*

homeopático

líria porto

vou te abraçar todos os dias
começar a despedir-me
enquanto é tempo

*

domingo, 28 de dezembro de 2014

exaustão

líria porto

o corpo pesa igual chumbo
eu quero um canto uma cama
e o mundo acabe
                          em barranco

(a vida é bruta)

*

marcas

líria porto

o hematoma sara – sai da cara
porém a alma continua
carimbada

*

fiel

líria porto

amava a humanidade
deitava-se com uns com outras
e não era traição

*

sábado, 27 de dezembro de 2014

vocação

líria porto

comadre dona galinha
tem os seus próprios filhotes
mas deita no ninho e choca
os ovos da dona pata

*

envolvimentos

líria porto

tem quem durma com estranhos
sempre pensei outra coisa
quem conhece a nossa alma
pode bem dormir
                              conosco

*

quase

líria porto

noites seguidas
tu nos meus sonhos
e eu se pudesse
não acordava

*

sexta-feira, 26 de dezembro de 2014

mormaço

líria porto

ah – a borboleta
sei o que fazer com ela
um leque de abano

*

aurora

líria porto

galo céu sol azul
flor passarada criança
tudo acorda e canta

*

quinta-feira, 25 de dezembro de 2014

a decoração

líria porto

violenta o morador
mas impressiona
a visita

*

decoração

líria porto

sou classe média finjo-me rico
pitacos estéticos camuflam mentiras
um vasinho aqui um cristal ali

(ouro de tolo)

*

quarta-feira, 24 de dezembro de 2014

a_penas

líria porto

não corro atrás
nem à frente

se a vida quiser que eu tenha
que embale pra presente

eu abro

*

terça-feira, 23 de dezembro de 2014

sete vidas

líria porto

eu sempre passo na prova
embora saiba – hora dessas
a morte ganha

*

segunda-feira, 22 de dezembro de 2014

aspectos

líria porto

as coisas são
como estão?

o cão vê o gato
bem diferente do rato
(questão de defesa e ataque)

aurora e crepúsculo
são noite dia ou mestiços?
(depende do ponto de vista)

o sol é para todos
e a chuva?

*

domingo, 21 de dezembro de 2014

material

líria porto

anjo coruja urubu ou galinha
preciso de uma pena  tinta não
que rasgo o pulso

*

sábado, 20 de dezembro de 2014

relembranças

líria porto

melado com farinha
queijo cará ou mandioca
de lamber os beiços
de voltar a ser
menino

(a vida igual rapadura
doce e dura)

*

sem asas

líria porto

subo escadas com esforço
e – sem fôlego – necessito
boca a boca

*

sexta-feira, 19 de dezembro de 2014

argumentos

argumentos

a chuva chove
vem cá moreno
amarra a mula no poste
comprei cerveja
torresmo
se a patroa reclamar
inventa um pretexto
um barro na estrada
um medo de raio
trovão tempestade
prometo-te
momentos escaldantes

*

entonação

líria porto

a voz dos avós
capaz de amansar
as dores

*

desagravo

líria porto

a mágoa infiltra-se na alma
e mofa os sentimentos

melhor deixar ao relento
o que pareça ofensa

*

quinta-feira, 18 de dezembro de 2014

diligência

líria porto

por ti eu faço de um tudo
rezo terço assalto banco
tricoto um manto de nuvem
como jaca abacate
(argh)
falo com o inimigo
rastejo peço desculpas
planto girassol no umbigo
tatuo a madona na bunda
pra ti eu faço de um tudo
só não faço comida

*

enfim

líria porto

por um átimo era ótimo
mas preferia ser o último
o íntimo

*

os cunhados do seu joaquim

os cunhados do seu joaquim

o neném da ênia
que homem bonito
que cara perfeita
cantava bem
(um verdadeiro caruso)
nem parecia
pai de família
(não usava aliança)

seu irmão caçula
a barba cerrada
a mesma voz
o mesmo gosto pelas mulheres
ninguém queria
era baixinho
as pernas tortas
(o alicate)

(e nós meninas
de cá do muro)

*

dolores

líria porto

dor aqui dor ali dor acolá
hoje doem-me as asas

*

quarta-feira, 17 de dezembro de 2014

traçado

líria porto

o córrego faz suas curvas
passa rente ao casario
desce por entre as pedras
pega carona no rio
pra depois seguir destino

o mar é cheio de córregos
de águas domésticas

*

carrancas

líria porto

cara dum focinho do outro
agora chegou mais um
pai filho neto – a cópia
xerox

*

a presença

líria porto

a dor na barriga me avisa
tens barriga

talvez para isso me sirva a dor
quando eu me moer toda

*

maria da penha

líria porto

palavra puxa palavra
e de repente o silêncio
depois um grito
uma ofensa
um tapa
uma facada

(era pra ser para sempre)

*

terça-feira, 16 de dezembro de 2014

muralha

líria porto

maria maria
um nome de tanto peso
para criança franzina

na segunda potência
maria maria é mais forte
que a maioria

*

chuvarada

líria porto

deixar o céu chorar nos nossos ombros
misturar as suas lágrimas às nossas lágrimas
consolar-nos e ao todo poderoso
de toda nossa falha
humanidade

*

não faço planos

líria porto

passo o ano
como quem lê um livro
365 páginas –– capa dura
um dia por dia

*

segunda-feira, 15 de dezembro de 2014

o mergulho

líria porto

bati a cabeça no fundo
ouvi o estalo

as pedras continuam íntegras
o estrago foi em mim

penso uns coágulos
e ouço vozes

*

mestre

líria porto

aprender até que é fácil
difícil é quem ensina
quem o faça com critério
com respeito ao aprendiz

*

enfim sólidos

líria porto

um amigo tudo pode
(até frequentar nossa cama)
as amizades resistem

essa história de romance
oscilante possessiva
corrói por dentro
e por fora
qualquer relação

*

domingo, 14 de dezembro de 2014

frustrações

líria porto

acalmar o vento
enxugar a chuva
conter redemunhos
educar-nos

tanto trabalho inútil

(continuamos os mesmos
a mesma gente sem nenhum traquejo
e sem escrúpulo)

*

amore

líria porto

só o sonho vence o tempo a distância a morte
estivemos juntos nessa noite – e foi tudo tão real
tão verdadeiro que o teu cheiro continua
nos lençóis

*

postal

líria porto

perdemos o hábito de esperar o carteiro
e para te surpreender escrevo-te –– aqui tudo nos conformes
menos a saudade que extrapola

vem quando puderes
voo assim que der
:
até breve

*

sábado, 13 de dezembro de 2014

antiguidade

líria porto

a pele do mar não é lisa
tão velho é o mar
e tão belo

a velhice não carece máscara

*

irremediável

líria porto

viemos
temos que voltar – e essa peleja
pra adiar a hora

(a morte é pontual)

*

sexta-feira, 12 de dezembro de 2014

o carregador

líria porto

descarregar o caminhão
carregar o carrinho
puxar o peso
retirar do carrinho
empilhar as caixas
tantas vezes
quantas necessárias
desde a madrugada

(à noite
salmoura nos ombros
nos calos)

*

na mira

líria porto

na corda bamba
no fio da navalha
na ponta do punhal
na beira do abismo
no alvo
mas nunca em cima do muro
nem ao lado dos golpistas

*

quinta-feira, 11 de dezembro de 2014

alegria

líria porto

às vésperas do sorriso
de repente a gargalhada
igual risada de bruxa
a espalhar-se nas curvas
esquinas da sua audácia

*

oferecida

líria porto

dois palmos de saia
blusa de oncinha
as botas de salto
sem roupa de baixo
e sem agasalho
à espera de quem
nem sabia

(com beijo na boca
é o dobro)

*

quarta-feira, 10 de dezembro de 2014

labuta

líria porto

à pé
de pé
bicicleta
ônibus
trem
metrô
:
fábrica
casa de família
portaria
loja
supermercado
construção
:
salário?
o mínimo
do mínimo

*

abandono

líria porto

a menina
(desprotegida)
faz a viagem
sozinha

putaquepariu
onde o (ir)responsável?

*

terça-feira, 9 de dezembro de 2014

o roqueiro

líria porto

requeiro o que quero
um rock pauleira
um som tão pesado
que me leve
(love me)
às alturas

*

vidinha

líria porto

à manhã abre a janela
à noite fecha a cortina
à tarde fica na dela

(faz a sesta
vê um filme)

*

sem modos

líria porto

o vento é moleque
e faz cada uma
empurra as nuvens
esparrama o cisco
alvoroça as árvores
derruba as frutas
dá chutes na porta
bagunça a cortina
e espalha poeira
na casa

vovó fica fula
e bate a janela
na sua cara

*

ao deus dará

líria porto

o corpo na cama
e a alma no mundo
dos sonhos

dormir é olhar
para dentro

*

segunda-feira, 8 de dezembro de 2014

nua

líria porto

dançava na rua
rodopiava
e era tão bonito
e era tão poético
mais que a flor
ou o pássaro

atentado ao pudor
senhor guarda??

*

lembrança

líria porto

quando parti
cochichou em meu ouvido
não me olvides


ainda sonho com ele

*

metáfora

líria porto

ouvir a voz da palavra
sem ficar ao pé da letra

*

domingo, 7 de dezembro de 2014

historia de un amor

líria porto

a paralisia infantil
o aparelho na perna
tuc toc tuc toc
o disco do lucho gatica
(la barca el reloj
bessame mucho
contigo en la distancia)
a paixão por helenice
a mocinha pobre
que morava na ponta da rua
e foi pra são paulo
ser puta

*

sábado, 6 de dezembro de 2014

o elevador

líria porto

nesse sobe e desce
e se pararmos no meio do andar
se nos faltar energia?

*

o fotógrafo

líria porto

congela o fogo
as labaredas já não lambem
a quentura não me queima
nem aquece água do banho

*

pois é

líria porto

fosse fada
tivesse varinha de condão
dava um jeito na pia
varria a casa
arrumava a cama

acontece que não

*

escambo

líria porto

o hábito de freira
um par de lágrimas retidas
o banco de espera
o baú de desmemórias
por algo ou alguém
sem cobiça

*

sexta-feira, 5 de dezembro de 2014

amnésia

líria porto

quando te acho eu me perco
não sei mais nada de mim
então me levas me trazes
e muitas horas mais tarde
é que recordo meu nome
volto a ter identidade

*

quinta-feira, 4 de dezembro de 2014

embaraço

líria porto

ameaço puxar
o fio da meada

em meados do mês
o salário acaba
faço uns bicos
:
o suficiente
para a cachaça

*

pau-de-sebo

líria porto

o oblíquo da rampa abranda a subida
a descida

escaladas verticais encurtam caminho
demandam esforços sobre-humanos e a queda
pode ser fatal

(não há que se pisar em companheiros)

*

quarta-feira, 3 de dezembro de 2014

trivial

líria porto

o meu bife preferido
não é de filé mignon
eu amo bife de fígado
cortado um pouco mais fino
acebolado e no ponto

e se houver arroz branco
um tantinho de jiló
um golinho de cachaça
isso sim é o paraíso
a cozinha lá de casa

(é só comer
e domir)

*

a defunta

líria porto

banhei felícia
vi-a de corpo inteiro
tufos de espuma do mar
nos cabelos nos pentelhos

perfumei-a
enrolei-a em lençol branco
coloquei-a no caixão
outros fizeram o enterro

(fechou-se o chão para sempre
e ninguém chorou)

*

clones

líria porto

espelhos olham-se fixos
das paredes paralelas
refletem-se e se desdobram

passo entre eles e me vejo
duas dez trezentas vezes
qual das velhas sou eu
:
todas elas?

*

terça-feira, 2 de dezembro de 2014

náusea

líria porto

fruta da minha estação
ando enjoada de mim
todo dia a mesma líria
todo dia a mesma líria
só que agora dói

*

desidratação

líria porto

torci-os
pendurei-os no varal
e agora que secaram
(olhos amarrotados)
recoloquei-os na cara
e jurei a mim mesma
nunca mais nenhuma lágrima
qualquer ensaio de choro
nada que me deságue

*

dedicatória

nus descampados (im)puros
fiamos o plenilúnio

(líria porto)



*















quem tem pena de passarinho
é passarinho

(líria porto)

Arquivo do blog