sexta-feira, 31 de agosto de 2018

apoio

líria porto

se não for bom se não der certo
acena assobia faz um gesto
e eu irei

*

quinta-feira, 30 de agosto de 2018

credibilidade

líria porto

eu tive tenho e terei
grilos a teu respeito
embora saibas e afirmes
que por pequenos deslizes
(inúmeros)
não deva ser tão severa

(confiança
é igual
cristal)

um olho fechado
um aberto

*

quarta-feira, 29 de agosto de 2018

tirana

líria porto

o frio da morte perpassa meu corpo
chegou minha hora não quero partir
preciso de um prazo para as despedidas
a morte implacável me arranca da vida
aparta meu corpo do espírito

*

crepúsculo

líria porto

o sol ofusca tudo e num repente
baixa o farol

*

haicai

líria porto

logo de manhã
a galinha cacareja
promete omelete

*

vitimização

líria porto

autopiedade é um sentimento narcisista
que nos impede de acudir a dor do outro — de compreender
o sofrimento da humanidade

(oh céus
oh vida
oh azar)

*

terça-feira, 28 de agosto de 2018

retumbante

líria porto

o eco da tua ausência
reverbera como um berro
a romper-me os tímpanos

*

quinta-feira, 23 de agosto de 2018

balofa

líria porto

a meia lua anda cheia de tanta falta
e de achar-se assim — tão feia — engorda
a olhos vistos

*

flash

líria porto

minha orquídea floriu no abandono
(muito mais generosa que eu)

*

vaticínio

líria porto

se essa lua se essa lua fosse em minas
eu comia-a eu comia-a
com goiabada

*

abandono

líria porto

se essa lua se essa lua fosse minha
não deixava não deixava o sol
magoá-la

*

crush

líria porto

mais que a mulher do próximo
eu amo o próximo — esteja perto
ou distante

*

cuidado

líria porto

ao fitares um desafeto
fá-lo com força e fúria
ou desvia o olho

*

quarta-feira, 22 de agosto de 2018

farfalho

líria porto

após a idade fértil
a dor forte o infarto
a furtiva vontade
de afirmar-se
viva

*

autoextermínio

líria porto

nunca foi um poeta medíocre
de repente caiu na mesmice
o que era para ser um rochedo
derreteu-se qual pedra de gelo
e alagou o seu verso
que sina

(foi assim que morreu)

*

origem

líria porto

um avô português
outro árabe
:
amei mais o deserto
ainda assim amo
o mar

*

veneno

líria porto

não me dou em conta-gotas
dou-me em dose única

*

terça-feira, 21 de agosto de 2018

efêmera

líria porto

embolo a tristeza
enfio-a no bolso
(não que a esqueça)
vou assim mesmo
o caminho é longo
se perco esse tempo
sequer posso ver
a cor das flores

*

amargos

líria porto

a ditadura da felicidade
obriga-nos a rir como palhaços

*

urnas

líria porto

no centro cu e umbigo
à direita fígado à esquerda
coração

*

competição

líria porto

tu e eu –– a gente juntos
vai dar ruim eu sei que vai
tens mania de grandeza
eu não sei ficar atrás

*

presença

líria porto

bêbada de ti
quando partires
quem vai me curar
da ressaca?

*

vastidão

líria porto

as tias paternas
filhas do avô português
(duas viúvas duas solteiras)
passaram a vida inteira
da igreja pra casa
da casa pra igreja
em dias de chuva
e de sol

as tias maternas
filhas do avô árabe
(afora a madrinha)
gostavam de pito
e baralho

(entre quibe e bacalhau
amei o mar e o deserto)

segunda-feira, 20 de agosto de 2018

pessoa

líria porto

na terceira o meu desejo
na primeira a tara do outro
(vez em quando sou sincera)

*

beagá

líria porto

a avenida do contorno
demarca o miolo
do girassol

*

memória

líria porto

imersa em poeira e neblina
viro menina outra vez

*

minhocuçu

líria porto

dei do outro lado
foderam-me à cabeça

*

hospital

líria porto

no corredor
a dor anda devagar
ou vai de maca

*

capotamento

líria porto

há quem culpe os outros
eu assumo o desastre que sou
e tento me emendar

*

domingo, 19 de agosto de 2018

tumba

líria porto

morte
irmã mais velha de morpheus
dormiu e não acordou

*

sábado, 18 de agosto de 2018

explosivos

líria porto

paranoicos psicopatas transtornados
deprimidos bipolares eufóricos neuróticos
puritanos assassinos suicidas fanáticos
violentos borderlines
:
nitroglicerina

*

auto-avaliação

líria porto

eram muitos eram tantos
todos quanto se disseram santos
foram os piores demônios

*

cortejo

líria porto

a morte segue sorridente
como fosse contente morrer
voar sem levar o corpo

*

louça

líria porto

meia lua
cuia de leite
:
o gatinho vira os olhos
lambe os bigodes
e mia

*

cinquenta semitons

líria porto

nesse joguinho de compadres
eles se tratam bem

puxam a cadeira pra comadre
falam sobre nulidades

ignoram solenemente
quem possa confrontá-los

tentam esconder
que são canalhas
:
enganam a quem?

*

sexta-feira, 17 de agosto de 2018

fel

líria porto

a voz doce de dona tão amarga
leva-me a crer que raquel
não lia

*

particular

líria porto

depois de ter sido a rainha
queria que eu fosse
a putinha dele

para esse ofício
eu tinha outros homens

*

putre_fato

líria porto

urubu usa toga
e torce pra carne
virar carniça

*

brancas de neve

líria porto

floriam as jabuticabeiras
e na esteira do tempo seus olhos
adocicavam

*

maria fumaça

líria porto

bem na passagem do trem
entre os batentes
em silêncio
tem a semente do tempo
que a gente era contente
por qualquer coisa

(tomara chova)

*

quinta-feira, 16 de agosto de 2018

das coisas mal resolvidas

líria porto

dez anos após a separação
depois de girar mundo casar-se outra vez
foi à casa da ex-mulher buscar suas tralhas
e –– magoadíssimo –– deixou-lhe um bilhete
:
jogaste minhas coisas fora
tu me jogaste no lixo

(o que os homens esperam das mulheres?)

*

quarta-feira, 15 de agosto de 2018

miúdo

líria porto

a noite embala-me o sono
embrulha-me em manto escuro
sussurra ou faz silêncio
:
o berreiro continua
eu tenho medo de monstro


*

cheguei tarde para o poema

líria porto

distraí-me com o casamento
a criação das filhas
a política
por pouco eu não deixava
a página virgem

*

sábado, 11 de agosto de 2018

mala e cuia

líria porto

eu vou embora de mim
não agora — fico mais um pouco
mas quando chegar minha hora
tomara eu tenha um lugar
para cair morto

*

sexta-feira, 10 de agosto de 2018

pau a pau

líria porto

traiu-me
dei-lhe o troco

para mim ficamos quites
para ele eu o ofendi

*

terça-feira, 7 de agosto de 2018

confidências

líria porto

aqueles segredos guardados a chave
que mal nos lembramos depois de umas décadas
teriam acabado com alguns casamentos
se eles ou elas soubessem

*

segunda-feira, 6 de agosto de 2018

atropelamento

líria porto

a asa da minha rua
atravessa o meu verso
sem olhar o movimento
das palavras
:
de repente
uma freada

*

drama

líria porto

só saro quando gozo a minha dor
que é a de uma gota no oceano

*

maria das dores

líria porto

doem-me os músculos
as junções dos ossos
os cabelos as sobrancelhas
os olhos os cílios
os pentelhos
os nervos o sangue as veias
as vísceras a saliva a língua
os dentes

sou um saco de pancadas
uma almofada de alfinetes
:
doo pra cacete

*

domingo, 5 de agosto de 2018

guerra

líria porto

gente sem qualquer escrúpulo
dizimou a minha terra
empunhei flecha e borduna
amolei as minhas facas
pra defender o que resta
e estou disposta a tudo
desistir até do verso
para vencer essa luta

*

sexta-feira, 3 de agosto de 2018

natimorto

líria porto

viveu nove meses em meu ventre
enforcou-se nas cordas do corpo
e não viu o mundo
:
seria o meu filho
um bom homem?

*

quarta-feira, 1 de agosto de 2018

caramujo

líria porto

fujo de mim já faz tempo
fingir é um meio eficaz
chegar à foz é um tormento
pra quem tem medo 
de (a)mar

*

arábico

líria porto

o pó preto a água fumegante
o cheiro da casa de minha avó
e a sorte no fundo da xícara

*

precipitação

líria porto

cônscio da própria finitude
o ancião teve insônia e se exasperou
com os passos lentos do destino
:
saltou do viaduto

*

questão de tempo

líria porto

em breve o olhar dos velhos
encontrará os meus olhos

irei de xale e bengala
tomar o banho de sol

e quando as filhas os netos
vierem para a visita

eu quero estar bem bonita
para contar-lhes a história

(a mesma história de sempre)

*

dedicatória

nus descampados (im)puros
fiamos o plenilúnio

(líria porto)



*















quem tem pena de passarinho
é passarinho

(líria porto)

Arquivo do blog