terça-feira, 31 de agosto de 2010

xixi

líria porto


nesta noite tem morcego
tem aranha tem enxofre
neste medo tem capeta
tem veneno tem chocalho 
nesta manhã tem menino
deitado dentro
do lago

*

segunda-feira, 30 de agosto de 2010

segundo grau

líria porto

matemática é antipática – gosto é de português
bigodões e bolinhos de bacalhau

*

bonitão

líria porto

dize-me com quem andas e eu te direi
que inveja – queria ser a mulher
que caminha do teu lado

*

sábado, 28 de agosto de 2010

matadouro

líria porto

acho que foi
o olho do boi
o olho parado
o olhar de lado

a vaca fraca
caiu de quatro
mudou do pasto
para o açougue

essa cadeia
essa parede
é uma rede
de pegar mosca

ora freguês
é a tua vez
agacha-te
entrega o c_ouro

*

ex_pião

líria porto

se teu amigo é um doce
cuidado  fica ex///////perto
ele é agente da cica
:
para obter a receita
ele te usa
               usa
e ab_usa

(e pede asilo na rússia)

*

sexta-feira, 27 de agosto de 2010

a menininha do espelho

líria porto



nas  horas mais tristes
quando todos somem
ela se importa 
e não me abandona

*

brin_cadeira

líria porto



disse ao carlos  estátua
não te mexas nem pisques
e corri pra itabira

*

quinta-feira, 26 de agosto de 2010

in veritas

líria porto



a verdade ao avesso
a viagem nas veias
o vinho

(nem que a vaca tussa)

*

descobertas

líria porto

ao invés de expectativa
possibilidades

se uma não der certo
haverá outra e outras
e ostras

e pérolas

*

quarta-feira, 25 de agosto de 2010

linha de fogo

líria porto

avós
pais
filhos
netos
:
na sequência

e que ninguém fure a fila

*

fêmea

líria porto

lua linda louca ilícita
sem licença para se deitar com os homens
enche as ruas de volúpia

de malícia

*

terça-feira, 24 de agosto de 2010

liberdade é balela

líria porto

faz-se o que se quer
dentro dos limites

pedra sobre
a rotina impede-nos
o voo

*

segunda-feira, 23 de agosto de 2010

tourada

líria porto

cutuco-a provoco-a
a palavra se zanga e me fere - tira de mim
a poesia

*

coragem

líria porto

a mão seja firme o tiro certeiro e a ferida
uma explosão
                    de pétalas
:
uma rosa encarnada no peito

*

domingo, 22 de agosto de 2010

sismo

líria porto


o coração da terra - quente e maciço
bate descompassado
:
cisma de mãe

*

voo

líria porto

no ensejo do verso o manejo da palavra
o desejo de expandi-la – de vê-la roçar
uma estrela

*

sexta-feira, 20 de agosto de 2010

algoz

líria porto

prognóstico – seis meses
pouco mais / pouco menos

o tempo ri_bomba o relógio não para
e as horas são feras gulosas

*

quinta-feira, 19 de agosto de 2010

vícios

líria porto

I

na taça o vinho
sorria para a boca

e a louca sorvia
sua língua solta


II


saía-lhe fumaça pelas narinas
e as pupilas aprendiam
que a vida é nicotina


III

o corpo - massa amorfa
derrama-se sobre a cama

e permanece
                      poça

*

vício

líria porto

:
o cigarro manda
o fumante obedece

invertebrado

*

fértil

líria porto

desci subi retornei
vi um caminho incomum
era a trilha do tatu
por onde me enveredei

uma semente só uma
capaz de gerar a árvore
caiu em mim transformou-me 
em algo verde encorpado

virei um galho um arbusto
cresci cresci santo deus
tão amarelas as flores
pau-brasil 
:
sibipiruna?

*

quarta-feira, 18 de agosto de 2010

in_versus

líria porto

cai do teto do meu quarto
um poema intermitente
à noite pingam umas letras
nas chagas que tenho

o que eu buscava – silêncio
não pude ter eu não pude
cantaram galos canários
a cachoeira o açude

são muitos os pensamentos
essa mistura de assuntos
eis que chega a prima_vera
cheiro de flor me confunde

não sei se acordo
se durmo

*

terça-feira, 17 de agosto de 2010

desabamento

líria porto

o pó das paredes e das vigas
vagueia como um fantasma
pela cidade

*

no meio e no fim do caminho

líria porto

pedras nos rins na vesícula
e a vida a (em)pedrar
gelo

*

o mágico de ósculos

líria porto

(des)conhece-me os picos os abismos
navega entre eles naufraga
e volta à superfície

*

domingo, 15 de agosto de 2010

portal

líria porto

no dia da minha morte
transporta-me pelo azul
e semeia as minhas cinzas
onde o vento faz a curva
onde a lua se embeleza
onde mora o pôr do sol

*

da situação

líria porto

pior que perder o par
é perder-se o pé

*

sábado, 14 de agosto de 2010

a pena bica o poema

a poesia gorjeia-o

(líria porto)

*

sexta-feira, 13 de agosto de 2010

inventário

líria porto

a vida é uma bola uma bolha um círculo
aos quais circundamos por ar mar ou terra
onde retornamos em dias estéreis
ao ponto da partilha

*

prendam-me em camisa de flor

líria porto

) conde d'eu para a corte
menos à mulher – dona isabel
que o chamava luís filipe
:
escreveu-me em letras garrafais
quando vieres traz tequila
ou cachaça das gerais (

(prima vera se aproxima
e ainda há névoa)

*

quinta-feira, 12 de agosto de 2010

que ódio

líria porto


vejo-as - lua e vênus
se ao menos me dissessem a que vêm
mas não - uma ri a outra olha
                                         e é só

ai
a vontade que eu tenho de dizer-lhes
desembuchem falem logo de uma vez 
(entre nobres não devia haver deboche)

*

crionças

líria porto




vovó temia trovões
e quando um clarão ribombava
ela tapava os ouvidos

nós – aquele dilúvio de risos
aquela maldade asas

*

deliriar

líria porto

de manhã fazer um verso
à tarde com_por um n_ovo
à noite haver-se in_verso
a aninhar-se em alcova

todo poeta andorinha

*

quarta-feira, 11 de agosto de 2010

poder

líria porto

ora tímida ora escandalosa
essa lua bipolar puxa e empurra o mar
com os olhos

*

plenitude

líria porto

em quartos crescentes
a velha lua fica cheia
de si

*

(in)utilidade


líria porto


os moços isolam os velhos
deixam-nos de lado como utensílios
:
xícaras lascadas
                   
*

p/ala/fitas

líria porto

corredores são jangadas
conduzem pessoas e coisas
dos quartos
                   às (s)alas

(os quartos guardam sigilo)

*

terça-feira, 10 de agosto de 2010

tesão

líria porto

cheiro de arroz cor de leite
salpicado com canela
gosto de cravo pau de canela
um doce manjar dos deuses
para todos os prazeres
para dar água na boca
sentir vontade

arroz doce com canela
nesta vida passageira
esperarei por cem anos
mais que isso se preciso
retornarás bem cremoso
cheiro de arroz cor de leite
gosto de cravo

pau de canela

*

lua pensa

líria porto



porta aberta
vento adentra
roça as pernas
:
espalha  poeira
de estrelas

*

(desenho do francês edmond dansot - residente em recife)

segunda-feira, 9 de agosto de 2010

matriarca

líria porto

debaixo da minha bota
no taco do meu sapato
aqui na barra da saia
mando desmando
(estremeço)

os que obedecem –– coitados
não sabem quanto me custa
ser mãe
                  e pai

*

domingo, 8 de agosto de 2010

sensibilidade

líria porto

quem nascesse sem olhos ou privado de luz
teria que saber do mundo por outros sentidos
seria capaz de perceber a beleza o perfume
a textura do azul?
:
poderia entendê-lo ao ouvir
um blues?

*

circunstâncias

líria porto

fui a roma e não vi o papa
:
não teve a menor importância
eu já tinha perdido a virgindade
e ele - a lança

*

(o rabo entre as pernas)

líria porto

agosto
dizem que seu gosto acre
atrai

amuleto vela água-benta
(a camisa do avesso)
na rua tem

*

sábado, 7 de agosto de 2010

persuasivo

líria porto

o silêncio nos diz

*

prismas

líria porto

o barato e a barata
são coisas bem diferentes
o barato é um barato
a barata é repelente

o cigarro e a cigarra
não têm sequer parentesco
cigarra nasceu inseto
cigarro nasceu veneno

ser um cobra e uma cobra
algo aí pra definir-se
quem é cobra jararaca
ou cabra mal sucedido

uma coisa é uma coisa
outra coisa é outro caso
enquanto te beijo a boca
o mundo cai no buraco

*

uma aurora para o poeta nanini

líria porto



o azul enclausurado
preso por guarda-noturno
sai da cela solitário
ganha luz e liberdade
asas de passarinho
:
en_canto de galo

*

sexta-feira, 6 de agosto de 2010

abate

líria porto

não sei não sabes não sabemos
em que dia mês ano manhã tarde ou noite
a morte com sua foice fará a nossa colheita

enquanto seu lobo não vem
chapeuzinho na floresta
passeia dança floreia
:
a vida é (f)esta

*

leviana

líria porto

caí na lábia do vento
melhor te esquives de mim
meu corpo solto à deriva
é folha seca

resvalo entre penhascos
abismos despenhadeiros
eu não escolho caminhos
despenco o tempo inteiro

esquece-me

*

perecíveis

líria porto

juventude gelo lenha
tudo que se consome na fome
de viver

*

nem tanto ao (a)mar

líria porto

muito amor esmaga
pouco amor esmurra

o amor não seque
nem transborde

flua

*

quinta-feira, 5 de agosto de 2010

meia-idade

líria porto

todo lobo é meio bobo
precisa de dois brinquedos
a loba e a lua
:
pela lua é que ele uiva
para ela faz apelos
(e ela longe dos dedos)

todo lobo é meio homem
mulo sem cabresto

*

quarta-feira, 4 de agosto de 2010

abraço

líria porto

tu me enlaças e tanto me apertas
que tu'alma me transpassa
atravessa-me a pele


*

o primo

líria porto

bonito moreno cabelos de cacho
eu acho – meu caro – se fosse mocinha
faria plantão na pontinha do teu
                                        coração

eu e minha pobre rima

*

aurora pontuada

líria porto

no céu uma vírgula
na boca uma exclamação

*

terça-feira, 3 de agosto de 2010

pilhagem

líria porto

os meus espelhos vazios
clamavam pelo teu rosto
ancoraste noutro porto
deixaste-me a ver navios

*

de olhos vermelhos de pelo branquinho

líria porto

menininha foi-se embora
mas largou em minha casa
duas asas uma bola
e um pacote de risadas


cerro os olhos
embalanço as lembranças 
em meu colo
:
quero beijo
quero abraço
da gatinha angorá

*


segunda-feira, 2 de agosto de 2010

espana_dor

líria porto





nenhuma presilha segura esse cacho
o seu cabelo não nega
:
filha-da-mãe 
é do pai

*

bastião de marilu

líria porto



o vovô senta no chão
menininha se encosta

(flor-do-campo
borboleta
duas asas
muitas pétalas)

o amor é tudo isso
é a mão que abre portas

*

domingo, 1 de agosto de 2010

não falo coisa com coisa

líria porto

sol roto
o do inverno

(espero meu amor faz tanto tempo)

carmim
minha cor de boca

(rouca - a voz)

*

do arco da velha

líria porto


sinhá não era boa da cabeça
subia e descia as ladeiras
e por uma ou duas moedas
desfiava histórias

sinhá olímpia
musa de ouro preto
rainha

*




dedicatória

nus descampados (im)puros
fiamos o plenilúnio

(líria porto)



*















quem tem pena de passarinho
é passarinho

(líria porto)

Arquivo do blog