terça-feira, 31 de dezembro de 2019

lentamente

líria porto

há quem se consuma em fogo alto
(eu me cozinho em banho-maria)

*

segunda-feira, 30 de dezembro de 2019

(para o livro sem pecado não tem salvação) ceia

líria porto

é quando alguém te come
da cabeça aos versos

*

domingo, 29 de dezembro de 2019

ossada

líria porto

o esqueleto que mora em mim
saúda o esqueleto de todo mundo

no fundo no fundo
somos muito parecidos

(pra quê orgulho?)

*

sábado, 28 de dezembro de 2019

(para o livro sem pecado não tem salvação) assim

líria porto

que nem abacaxi
gostosa e difícil
de descascar

*

clímax

líria porto

a língua lâmbida
vai pela pelve
tão de_vagar
chega num ponto
que a dona sobe
pelas paredes
(nem sabe como)
depois despenca

*

autodestruição

líria porto

começas pela ingesta de açúcares
amidos suspiros gorduras
aperitivos bebidas laticínios
(a ilusão das delícias)
e empurras teu corpo disforme
hipertenso
para o fundo do poço
e entalas
qual fosses rolha
e morres de medo
e desgosto

*

sexta-feira, 27 de dezembro de 2019

grandioso

líria porto

amor
nosso par
era ímpar

*

dosagem

líria porto

tudo é bom com parcimônia
sal açúcar bebida pimenta fritura
sexo

*

corte

líria porto

a morte é bruta abrupta
como um rapto –– um coito
interrompido

*

bisturi

líria porto

daqui por diante
a ponta da minha pena
será cortante

*

irresponsabilidade

líria porto

foi fazendo tudo errado
do pior jeito possível
quando deu co'os burros n'água
pôs a culpa em deus no diabo na mulher
e até nos filhos

(o pudim 
de cachaça)

*

terça-feira, 24 de dezembro de 2019

o poeta

líria porto

com tesão
compulsoriamente
versos bons versos ruins
porém nada é desabafo
válvula de escape
hipocrisia

escreve como quem morre
e ressuscita

*

definição

líria porto

espírito natalino
é próprio o espírito do porco
com maçã na boca

*

segunda-feira, 23 de dezembro de 2019

de amor e gigolagem

líria porto

homens de mãos calejadas
fecundam a terra
que lhes agradece e dá-lhes
–– qual mulher amorosa ––
arroz com feijão
frutas flores
e fartura

homens estéreis
egoístas
incendeiam as matas
as florestas
violentam os rios
tentam explorar a terra
transformá-la em prostituta

*

domingo, 22 de dezembro de 2019

revestimento

líria porto

vou bordar minha mortalha
(só morro depois)
preciso aprender esse ofício
porém não me enterrem com ela
(um lençol serve)
guardem-na como relíquia
ou livro escrito
em papiro

*

idiotia

líria porto

oh terra plana
cercada de (ô)laivos
por todas as bandas

*

presságios

líria porto

quem diz que poeta alucina
não sabe –– a nossa sina
é pressentir e entoar

*

errante

líria porto

não vi o cometa halley
(esperei muito por ele)
porém vi um meteoro
uma bola incandescente
do tamanho de um farol
despencar ante estes olhos
(que a terra vai devorar)
e deixar desgovernado
traçado no céu aberto
um rastro trêmulo

*

sábado, 21 de dezembro de 2019

mudanças

líria porto

descendo de macaco
subindo para humano
encontro-me no ponto
da (r)evolução

*

sexta-feira, 20 de dezembro de 2019

meia-tigela

líria porto

amava o marido
com o amor possível
tal como as mulheres
que nutrem paixões
pelo chefe

(nem lá e nem cá
foi feliz)

*

segunda-feira, 16 de dezembro de 2019

balcão

líria porto

a velhice e a juventude trocaram
cólica por dor nas costas
e nas juntas

*

filha

líria porto

se eu morrer de propósito
por fraqueza ou covardia
eu te imploro –– não desistas
toma meu lugar e pune
o algoz
o inimigo

*

domingo, 15 de dezembro de 2019

vampiras

líria porto

ervas daninhas
subterrâneas malignas
invadem nossos jardins
tentam sugar das raízes
a beleza o vermelho
o perfume

(começo meio
e fim)

*

(para o livro sem pecado não tem salvação) incompatibilidades

líria porto

teus penhascos meus abismos
tu não me tapas os buracos –– eu não ascendo
a teus píncaros

*

toupeira

líria porto

pensa norte vai pro sul
e assim –– sem direção
da c'os burros n'água

(toda hora
uma topada)

*

sexta-feira, 13 de dezembro de 2019

haicai

líria porto

as goelas dos galos
espetam a madrugada
seus agudos dardos

*

impertinente

líria porto

pirralha punha o dedo
na ferida dessa gente

*

solavanco

líria porto

acima da nuvem
abaixo do azul
a estrada vácuo
da aeronave

*

retorno

líria porto

dei de me cansar
e hoje só quero
ficar na rede
aninhar meus netos
rever a lua
e as estrelas

(amanhã eu volto a falar mal
do governo)

*

fotografia

líria porto

a nuvem passa ligeira
eu a congelo num click
nunca mais seria a mesma
se passasse em brancas nuvens

*

acenos

líria porto

toda hora a cena muda
toda hora a cena fala
toda hora a cena grita
toda hora a cena cala

*

(des)conforto

líria porto

a pele dos velhos
frouxa para o corpo
como roupa larga

*

em cruz ilhada

líria porto

meu passo sem mim
mau passo que assim
conduz-me a lugar algum

*

reflexão

líria porto

deixou-te
pode ser que um dia volte
vais querê-lo?

o contexto agora é outro
nós ficamos diferentes
era bom
porém nem sempre
o que foi tão atraente
sobrevive à distância

(o tempo vira as páginas)

*

domingo, 8 de dezembro de 2019

fumante

líria porto

poluía-me até a alma
mas eram tão bonitas as baforadas
os anéis de fumaça

*

paixão

líria porto

fio desencapado
plugado em alta
voltagem

*

poliglota

líria porto

muitas línguas em sua boca
a sua língua na minha

*

sexta-feira, 6 de dezembro de 2019

{[( )]}

líria porto

entre parentes
colchetes e chaves
resolvo impertinências

*

deus do céu

líria porto

prometeu-me
a melhor comida
que jamais teria

(cumpriu a promessa)

mordeu meus lábios
lambeu-me os mamilos
fez tremer-me as carnes

(fui pro paraíso)

*

quarta-feira, 4 de dezembro de 2019

arrogância

líria porto

um olhar de paisagem
incapaz de ver alguém

*

filhas

líria porto

flores de cacto
não se machucam
com espinhos

*

segunda-feira, 2 de dezembro de 2019

saci

líria porto

o moleque
o seu pé de vento
vai na disparada
esparrama o cisco
e as folhas secas
da dona que varre
a porta de casa

*

espeto

líria porto

bem ou mal passado
ovo acebolado ovo à milanesa
ovo a cavalo

*

medalha

líria porto

o único lugar
a condecorar-me
(tive esta honra)
foi o bar do ferreirinha
em caicó

(sertão do rio grande do norte)

*

sozinha

líria porto

tem a própria companhia
das muitas que a habitam
dos seus livros dos seus grilos
das perguntas que se faz
dos amigos virtuais
(e imaginários)
e dos seus próprios fantasmas

(não se sente solitária)

*

domingo, 1 de dezembro de 2019

sacrifício

líria porto

a vida
esse calvário
(uma coroa de espinhos)
a gente se crucifica
sangra por dentro
por fora
ao ponto do autoextermínio
do alívio que não vem
:
ninguém nos sabe

*

dedicatória

nus descampados (im)puros
fiamos o plenilúnio

(líria porto)



*















quem tem pena de passarinho
é passarinho

(líria porto)

Arquivo do blog