sexta-feira, 31 de julho de 2015

pauta

líria porto

mim bemol
si sustenido
no rol
das lembranças
tardias
das claves
de sol
e de lua

*

novos e velhos

líria porto

os sapatos
que transportam
nossos passos
a lugares
conhecidos
também erram
os caminhos
e nos jogam
no buraco
:
os chinelos
são mais íntimos

*

entraves

líria porto

no máximo
com muita vontade e empenho
e não sem dificuldades
modificamos os hábitos
mudamos-nos
mas não do vinho
pra água

*

quinta-feira, 30 de julho de 2015

incompatibilidade

líria porto

a lua feita a compasso
qual hóstia na eucaristia
ela chega triunfal
o sol se esvai

(o céu é pequeno)

*

esquadro

líria porto

ninguém segura o tempo
o vento a tempestade
nem detém a meninice

não deixem para mais tarde
caminhar de mãos dadas
sentir crescerem
os guris

*

novos e velhos

líria porto

os sapatos
as sandálias
que transportam
nossos passos
a lugares
conhecidos
também erram
os caminhos
apertam-nos
os calcanhares
escorregam
e nos jogam
no buraco
:
os chinelos
são mais íntimos

*

quarta-feira, 29 de julho de 2015

filho

líria porto

se não posso compartir sofrimentos
é porque não confias e é isso que dói
e magoa
:
não me poupes sou mais forte
do que pensas

*

arautos

líria porto

o galo canta
acaba de nascer
um dia novo

a passarada
em grande algazarra
comemora

(quem quiser
faça o café
amélia dorme)

*

nós

líria porto

mais que vínculos de sangue
os laços da amizade tornaram-nos
irmãos

*

volta por cima

líria porto

em mim me ancoro
quando desabo
levo-me junto
arrasto tudo
depois levanto-me
volto em meu colo
e me consolo
e me ajudo
pois sem eu mesma
eu não seria
mais que uma lesma
ou parasita

*

terça-feira, 21 de julho de 2015

associações

líria porto

a curva da lua
a curva da rua
a curva do rio
a curva do cio
a curva do seio
a curva da bunda
a curva da curva
o cu

*

ocos

líria porto

eu te espero não vens
tu me esperas não chego
entre nós existe um vão
que nada preenche

*

segunda-feira, 20 de julho de 2015

invasor

líria porto

plutão era um cão tranquilo quieto no seu canto
depois que americano enfiou-lhe a sonda
perdeu o sossego

*

acolhimento

líria porto

os braços de morfeu
a cama boa os sonhos
a noite fria

(pisei a lua)

*

sábado, 18 de julho de 2015

ioiô

líria porto

uma vez algumas vezes
insistimos não deu certo
:
por que puxar para perto
quem já nos fez
infelizes?

*

teatro

líria porto

catamos palavras
aqui e ali
algumas sensatas
as outras sem tino
com elas traçamos
as cenas os atos
as incongruências
do camarim

*

quinta-feira, 16 de julho de 2015

artísticos

líria porto

entre pelados e nus
há detalhes que os diferem
os pelados tiram tudo
os nus se vestem
de pele

*

teóricos

líria porto

conhecemos o belo
sabemos os modelos
não conseguimos mudar
o que temos

*

estrelado

líria porto

de vagar se vai aonde
vênus brilha mais que júpiter

*

mundana

líria porto

pendurava os pecados no varal
e voltava para a esquina
ia nua
:
de alma limpa

*

l'amour à trois

líria porto

sussurro teu nome não acordes
vou penetrar o teu sonho
revestir tua pelve
:
agora desperta
chama a fêmea que dorme do lado
façamos sexo –– nós três

*

o velho

líria porto

o machismo continua
mas a austeridade
foi pro brejo

*

abusos

líria porto

a mão do velho a levantar-lhe a saia
o tio a mostrar-lhe o pinto
depois - mocinha - o enfermeiro
a deslizar os dedos
em sua coxa

(devia ter contado ao pai)

*

terça-feira, 14 de julho de 2015

boca suja

líria porto

falo cu e bunda
pinto com todas as letras
o quadrado o cubículo
o buraco negro

*

coxinhas

líria porto

eu faço amor co'as palavras
com falastrão faço guerra
não tentem calar meu verso
não vivo de ocasião
e muito menos de merda

frangotes vão para o corte
eu que sou vaca
dou leite

*

artísticos

líria porto

entre pelados e nus
há detalhes que os diferem
os pelados tiram tudo
os nus se vestem
de pele

*

sábado, 11 de julho de 2015

das vergonhas

líria porto

lugar de timidez
não é no palco
é na coxia

*

do preconceito

líria porto

lá ia o negrinho
seu corpo franzino
tocava os pedais

corria corria
e era feliz
como todo menino

então a freada
o carro que cessa
a sua alegria
:
bicicleta roubada?
não senhor guarda
ganhei no natal
:
vamos averiguar

*

sacripantas

líria porto

às santas mulheres
que pensam indecências
receitam água-benta

(e molestam crianças
em nome de deus)

*

dom juanito

líria porto

joão-de-barro – bom de bico
adora arrastar a asa e cantar
as andorinhas

quando retorna à casa
(muita vez estropiado)
tem batom no colarinho

*

autoimunidade

líria porto

a dor que é tua
na primeira pessoa
a dor que é minha
não descrevo

*

sexta-feira, 10 de julho de 2015

desejo

líria porto

quando aparece uma chispa
velho é igual mato seco

*

quinta-feira, 9 de julho de 2015

miopia

líria porto

lunetas
binóculos
e agora esta lupa
tu me observas
procuras defeitos
se apenas me olhasses
verias todos
:
não uso disfarces

*

sem cobertor

líria porto

a lua lá
sozinha de fazer dó
na noite fria

*

morri muitas vezes

líria porto

havia uma índia
nuinha na selva
tal qual veio ao mundo
quiseram que a vestisse
tapasse-lhe as partes
(não o fiz)

depois nu'a mama
falava de câncer
e noutra um anjo
barroco criança
havia entre as pernas
um sininho

por fim o modelo
assim sem camisa
achava-o tão belo
sequer tinha sexo
chamava-o andrógino
acusaram-me
:
a morte sumária
quedei sem defesa

*

dedo-duro

líria porto

tomara encolha
tomara bolhas
pus e ferida
tomara latrina
seu habitat

*

estado interessante

líria porto

em cama larga
durmo do lado avesso
no outro deita um fantasma
que à meia-noite me come
engravida-me de sonhos
e pesadelos

acordo prenha de espasmos
de soluços de poemas

*

segunda-feira, 6 de julho de 2015

um poema para elza

líria porto

às vezes eu me evaporo
fujo pro fundo do quarto
deságuo enxurro empoço-me
nas portas da tua (c)alma

então enxugas meus olhos
dás-me da tua água-benta
e desse modo eu aguento
tanta mudança
:
eu sou criança de sorte

*

cisma

líria porto

esgrimo com muita coisa
com uma ideia uma dúvida
só depois do entendimento
consigo embainhar a arma
:
tal como a vaca
eu rumino

*

pontual

líria porto

espicha as horas
dribla o tempo
mente a idade
estica a cara
porém a morte
impossível
o seu relógio
não atrasa

*

domingo, 5 de julho de 2015

segunda-fera

líria porto

lá vem o sol
de_vagar

também pudera
é inverno

até o sol
tira folga

no arremedo
da aurora

*

sábado, 4 de julho de 2015

polígamo

líria porto

medalhinha de ouro
pendurada na corrente
debaixo dos panos
a segunda mulher

a caneta
no bolso da camisa
essa pode aparecer
a mãe dos seus filhos

*

motivo

líria porto

por isso não fui
(e fiz bem)
eu não quis vê-la contigo
e embora saiba que existe
mantenho a pose

(o que os olhos não veem
machuca menos
ilude-nos)

*

descomunal

líria porto

morre-se muitas vezes
de amor de medo de raiva
de saudade sono tédio
porém não existe remédio
pra morte por abandono

*

imputável

líria porto

eu sou só eu e mais nada
e não tenho costas largas

*

sexta-feira, 3 de julho de 2015

periferia

líria porto

se esta rua fosse minha eu capinava a calçada
pintava os paralelepípedos colocava postes lâmpadas
limpava a boca de lobo

se esta rua fosse minha
tinha água encanada coleta de lixo
esgoto

(se esta rua fosse minha
seria eu o prefeito)

*

manivela

líria porto

não sei com quem andas
por onde caminhas
só sei que nos vimos
voltaste no sonho
e como se o tempo
já nem existisse
cantavas sorrias
tal como no dia
que te conheci

(éramos meninos)

*

quinta-feira, 2 de julho de 2015

disputa

líria porto

corrida de folha seca
o vento dá a partida
tem folha que é tartaruga
tem folha que é borboleta

*

quarta-feira, 1 de julho de 2015

ponto e vírgula

líria porto

este ou aquela  nenhum
não ter também é escolha

não consumo desse item
nem maria vai com todos

*

dedicatória

nus descampados (im)puros
fiamos o plenilúnio

(líria porto)



*















quem tem pena de passarinho
é passarinho

(líria porto)

Arquivo do blog