domingo, 31 de agosto de 2014

decisão

líria porto

ao sentir-se muito velho
dependente das pessoas
não ter força para nada
resolveu partir
:
pior que a morte
a inércia

*

resumo

líria porto

a caneta é o bisturi
a traçar com precisão
tudo que o poeta diz
sem deixar quaisquer
senões excessos
ou exageros

*

ilhados – cercados de poesia por todos os lábios

quinta-feira, 28 de agosto de 2014

mágoa

líria porto

cospe a saliva
os dentes a língua
e a boca amarga

(alivia
quando cospe
o coração)

*

papelão

líria porto

a vida a amarrotar os dias
a enviá-los à reciclagem

quem sabe mudam a aparência
tornam-se mais palatáveis

*

reencontro

líria porto

o tempo a distância
e de repente o retorno
tua voz ao telefone
as notícias as mudanças
os filhos que se casaram
netos e netas crescidos
as recordações
e meia hora depois
o espaço de trinta anos
reduz-se a poucas
semanas

(retomamos a conversa
no ponto da despedida)

*

enxaqueca

líria porto

dor de cabeça é pretexto
é um jeito de dizer - hoje estou
de saco cheio

*

quarta-feira, 27 de agosto de 2014

dor de barriga

líria porto

santinha me dá nos nervos
é boazinha demais
tem sempre uma palavrinha
uma colherzinha de chá
para o inegociável

vai um conchavinho aí?

(claro
a qualquer preço)

*

molecagem

líria porto

não imputo a outro
a culpa que é minha
nem mesmo a um puto
que tem lá as suas
mas tira o corpo fora
por covardia

*

marketing

líria porto

na casa dos assombros
o mordomo é um fantasma
à meia-noite ele fala búuuuuuuuuuuuuuu
e convoca os monstros
para arrastarem o povo
para a arapuca

(é a treva)

*

ponto fraco

líria porto

um elo da corrente pode se corromper
aquele para o qual fizemos vistas grossas
deixamo-lo de lado por razões tão nossas
(complexos traumas comodismo)
que ninguém e nem nós mesmos
tomamos conhecimento

(quem é de ferro
poderá virar ferrugem)

*

terça-feira, 26 de agosto de 2014

válvula

líria porto

por meio da escrita
a gente sopita supura
vaza o pus

evita ou retarda
a explosão

*

segunda-feira, 25 de agosto de 2014

arritmia

líria porto

galopa por si só  desobedece comando
dispara (ou empaca) qual burro
por qualquer amor

arre égua
coração não tem controle

*

domingo, 24 de agosto de 2014

fogo-fátuo

líria porto

a chama que me habita
alma mente espírito
sei lá o quê
a lenha que mantém meu corpo aceso
e um dia o deixará
(frio inerte)
veio e irá para onde?

*

pretinha

líria porto

olhos de jabuticaba
pele de jabuticaba
gosto de jabuticaba
:
maria
estala
na boca

*

pluriverso

líria porto

é aqui que moro
é aqui que vivo
neste imenso
planetinha
cisco

*

tesouro

líria porto

o cão enterra o osso
e a ele recorre
sempre que pode
:
nós
as nossas
lembranças

*

rola moça

líria porto

tenho alma de alpinista
vim morar em terras planas
saudades são infinitas
onde estão minhas montanhas?

sofro a perder de vista
:
morro
morro
morro

*

sábado, 23 de agosto de 2014

golpes baixos

líria porto

para muita gente
o coisa-ruim foi um dedo-duro
ou um dedo em riste

para o machista disfunção erétil
é bem mais difícil

*

nossa

líria porto

a lua se supera
fica tão bela
tão esplendorosa
que meu verso
todo prosa
debruça-se à janela
ou senta
e se comporta

*

capação

líria porto

tem quem tenha dó de um poema
eu não - corto-lhe o pescoço a macheza
mas as asas eu preservo

*

sexta-feira, 22 de agosto de 2014

setas

líria porto

se o sim é sim
se o não é não
há indicações
à terra firme

se os sins e nãos
têm sentido dúbio
então é o pântano
o chão movediço

*

tendência

líria porto

o eixo da terra mudou
os seixos rolaram
e eu me deixo
pender
:
o meu ponto
de apoio

*

quinta-feira, 21 de agosto de 2014

bi_partida

líria porto

a urubua
a crocodila
a escorpiona
a lombriga
a vespa
a varejeira
a víbora
a cascavel
a viúva-negra
:
todas numa só
peçonha

*

historinha sem graça para me redimir

líria porto

eu de princesa
tu de plebeu
porém tu
muito mais nobre
que eu

olho ao redor
o que vejo
um bilhete
uma flor
um pão de queijo

na verdade
eu sem compostura
e tu
ainda pedes
desculpa

então pulo
qual sapo
e te digo
que mico
fui estúpida

estendo-te
a mão
e repito
mea culpa
mea culpa

mea culpa

*

quarta-feira, 20 de agosto de 2014

sem chance

líria porto

em cama de prego
não feri a pele
pisei sobre cacos
sem cortar os pés
já brinquei com faca
com arma de fogo
porém para o amor
não corro esse risco
que não tenho peito
sequer tenho fôlego
para o dia a dia

*

cumbuca

líria porto

quem quiser acredite
em lágrimas de crocodila
:
sou macaca velha
não boto voto
em arapuca

*

olheiras

líria porto

tem viúva de marido vivo
tem viúva de marido morto
e viúva de marido
de outra

(qualquer semelhança
é peso de consciência)

*

terça-feira, 19 de agosto de 2014

geometrias

líria porto

I

ninguém consegue mudar
as certezas do quadrado
por mais que se vire de lado
permanece sempre o mesmo

II

vou ser artista de círculo
desenhar coisas redondas
teu olho íris pupila
com sapatilha de ponta

III

eu tu ela
um triângulo equilátero
pedaços iguais pra cada
porém sem ressentimento

IV

do trapézio ao picadeiro

*

ledoca

líria porto

ao que toca
tudo vira ouro
uma espécie
de rei midas
:
a primogênita

*

taninha

líria porto

no corpo uma tonelada
a alma uns poucos gramas
deixou-nos na flor da idade
tinha só quarenta anos
:
minha irmã

*

segunda-feira, 18 de agosto de 2014

teus meus olhos

líria porto

se eu disser
lá fora tem um jardim
vais pensar –– tem um jardim
:
e eu jamais te direi
tem um muro

*

estilos

líria porto

tem poeta com mãos de cirurgião
tem poeta com mãos de lavrador de padeiro
de jardineiro artesão alfaiate mágico
tem poetas com mãos de tesoura de facão de foice
tem poeta com asas com manto
cetro e coroa

tem poeta

*

domingo, 17 de agosto de 2014

lenda

líria porto

onde o judas perdeu as cuecas
havia uma mulher que amava
um traidor

ela nunca quis saber
com quem ele esbanjara
as suas trinta moedas

(benzinho queres café
ou estricnina?)

*

sábado, 16 de agosto de 2014

sem saída

líria porto

caminhar às cegas
num bater sucessivo de cabeça
:
viver é a arte de quebrar a cara
catar e colar os cacos

*

teimosia

líria porto

quando a morte aparecer
vou deixar que me carregue
mas vou pirraçar um pouco
dificultar-lhe a tarefa

*

sexta-feira, 15 de agosto de 2014

cólica

líria porto

minhas reticências
deixei-as pelo caminho
:
eu já tinha cálculos
na vesícula

*

pedra e pétala

líria porto

nasceram no mesmo dia – as duas silenciosas
uma por teimosia e a outra
                                       por delicadeza

*

farejar

líria porto

um palmo à frente do nariz
isso me basta - ver mais o quê
se estou a ponto de fazer
besteira

(sem falar que daqui a pouco
vou fechar o olho)

*

di_vagar

líria porto

sentir absorver decodificar
e o desejo entrará pelos poros pele
olhos narinas boca orelhas umbigo
sexo
:
rapidinho é pra coelhos

*

quinta-feira, 14 de agosto de 2014

sabe que não sei

líria porto

tudo some por aqui
agulhas sapatos versos
(até eu já sumi de mim)

*

quarta-feira, 13 de agosto de 2014

a bola da vez

líria porto

sem sombra de mágoa
é que a lua míngua

ela entende os fatos
logo sai de cena

dá lugar no palco
para alguma estrela

(e o mundo gira)

*

terça-feira, 12 de agosto de 2014

patriarca

líria porto

da barriga de mamãe
brotou uma filharada mas meu pai
achava pouco

queria um time completo
(titulares e reservas)

no nono menino
por motivo de saúde
mamãe fechou a fábrica

*

miudeza

líria porto

gostavam de dar pitaco
na minha humilde vidinha
só então eu me dei conta
formiguinha tem ferrão
:
dão mais não

*

aproveitadores

líria porto

quando a coisa aperta
o que se suporta
é fecharem as portas
também as janelas
bem na nossa cara
pois que vacas magras
não servem pra corte
e secou-se o leite
que havia nas tetas

*

fantasia

líria porto

fez de conta que ele a amava
viveu a pensar nisso por anos a fio

assim a sua vida
um canavial

*

segunda-feira, 11 de agosto de 2014

quem come se lambuza

líria porto

nós
mulheres para mais de mil talheres
somos entrada prato principal
vinho sobremesa
e cafezinho

*

domingo, 10 de agosto de 2014

conhecimento de causa

líria porto

quem diz que poesia tem regras
é mulher –– escrevi poemas com sangue
nas coxas

*

joias

líria porto

quem quiser dê pérolas aos porcos
dou ração milho e farelo
pois que pérolas doo-as aos dedos
ao pescoço e às orelhas
das mulheres

*

proteção

líria porto

o frio que faz o frio que tenho
o frio que o pintinho sente
longe da galinha
:
quero o papai
e a mamãe

*

mão única

líria porto

viver é uma viagem
com bilhete só de ida
subidas e descidas
retas curvas mata-burros
uma ou outra encruzilhada
e nenhum retorno

(teu destino criatura
mais cedo ou mais tarde
é uma cova rasa)

*

sábado, 9 de agosto de 2014

haicai

líria porto

a lua de agosto
bem traçada com giz branco
um prato de arroz

*

marocas

líria porto

deu de caducar
vestir as roupas do avesso
chamar pelo amor que ainda vive
embora morto

*

sexta-feira, 8 de agosto de 2014

chimbika

líria porto

parecia um besourinho
mas me servia
íamos por todo canto
felizinhos da vida

(air bag ar condicionado freio não sei quê
direção hidráulica e eu toda
desconcertada)

gosto de amor antigo
com alguma batida de lata
e pé duro

*

tempos modernos

líria porto

o marido o amante o amor
um diferente do outro
mas algo em comum
ela
a bela do quinto andar

*

carências

líria porto

um canudo
um buraco sem fundo
fá-lo sugar as mulheres
além do útero

*

quinta-feira, 7 de agosto de 2014

derradeiro

líria porto

em noite escura
de vento forte
sem lua ou estrela
o último poema
escrito com pena
de pata galinha
ou seriema
:
no osso

*

terça-feira, 5 de agosto de 2014

maria fumaça

líria porto

fui atraída – embarquei
assim mesmo é o viver
passagem apenas de ida
paisagens labirintos
perigos túneis abismos
destino desconhecido
uma viagem de trem

vez por outra
uma estação
onde uns sobem
alguns apeiam

*

segunda-feira, 4 de agosto de 2014

retaliação

líria porto

com um arpão
acertou-me no peito
puxou-me pra perto
abriu o meu couro
bebeu o meu sangue
retalhou meu coração
e jogou-o às piranhas
(pedacinho a pedacinho)
só por vingança

*

domingo, 3 de agosto de 2014

felicidade

líria porto

aviam a receita
mas não bebem da droga
que nos oferecem

*

no sétimo dia

líria porto

embora para mim
o domingo seja um dia como os outros
no domingo eu não gosto de faxina

(nem de segunda a sábado)

*

o cocheiro

líria porto

com a sutileza de um paquiderme
a lanhar-me o corpo sulcar minha pele
fraquejar-me os ossos estalar chicote
demonstrar sem trégua quem conduz
as rédeas
:
o tempo
esse moleque

*

sábado, 2 de agosto de 2014

menino

líria porto

teu jeito me baratina
me bota fora do prumo
quando eu te vejo moleque
eu danço polka xaxado
brinco de espada de bola
esqueço que fiquei velha
e pulo como cabrito

*

pândega

líria porto

vovó é peça
ela dança na praça
e não há quem possa
dissuadi-la

vovó é figura
mamãe me procura
e ela me esconde
debaixo da saia

vovó é doida
quando ela sacode
a terra todinha
se desequilibra

vovó é bruxa
empurra com chucho
a tristeza a velhice
e cai na risada

vovó é caduca
é maluca
mas sabe
o que faz

(e desfaz-se)

*

dedicatória

nus descampados (im)puros
fiamos o plenilúnio

(líria porto)



*















quem tem pena de passarinho
é passarinho

(líria porto)

Arquivo do blog