sexta-feira, 30 de março de 2018

marielle

líria porto

morreu duplamente
(tiro e calúnia)
e haverá outras mortes
se não se punir
os assassinos

(muita gente na mira
muitos combatentes)

quinta-feira, 29 de março de 2018

a_corda

líria porto

o homem –– animal irracional
caminha a passos largos
para o autoextermínio

*

segunda-feira, 26 de março de 2018

indiferença

líria porto

a lua cresce
(muda de fase de forma)
e o sol
que nem olha para ela
não sabe o que está perdendo
ela –– uma grande mulher
ele um velho rabugento

*

futrica

líria porto

ao invés de falar da pessoa
falar com a pessoa –– sem
diz-que-diz

(ou silenciar-se)

*

da obra

líria porto

pelo avesso do crivo
avalio a bordadeira

*

mea maxima culpa

líria porto

esse tal de facebook
é uma casa de caboclo
uma grande arapuca
e o pior é que vicias
perdes tempo e tu podias
realizar tantas coisas

(mas tu te inutilizas
viras massa de manobra
precisas só das curtidas
não da importância
das horas)

*

sábado, 24 de março de 2018

do amor

líria porto

então me perguntas
como ousas e eu te digo
quem ousa é meu coração
:
eu sigo suas batidas

*

quinta-feira, 22 de março de 2018

utopia

líria porto

tu ele eu e nós todos
condenados a morrer
(é um desígnio)
viveríamos melhor e mais felizes
se além de respeitar as diferenças
lutássemos por sonhos
coletivos

*

quarta-feira, 21 de março de 2018

a infância

líria porto

a inocência a pureza
deixadas ao deus-dará
voltaram com outras roupas
mas não perderam
a essência

*

caluniar é matar com palavras

terça-feira, 20 de março de 2018

haicai

líria porto

a lua embaçada
aquela réstia de luz
coberta de nuvem

*

segunda-feira, 19 de março de 2018

implacável

líria porto

a cada dia uma baixa
em nossa tropa de amigos
igual estátua de sal –– não vou
nem fico

*

sexta-feira, 16 de março de 2018

tocaia

líria porto

de morte morrida
seria duro aceitar
porém de morte matada
bem na metade da vida
a alma fica à deriva
até que se puna
os culpados

*

quinta-feira, 15 de março de 2018

ponteiros

líria porto

acordo repleta de boas intenções
(as más aparecem após o crepúsculo)

*

escrita

líria porto

na ponta da flecha a palavra
na mira teus olhos teus óculos
tuas lentes teu cérebro tua pele
teu sangue
as pontas dos teus dedos
e o peito aberto

*

digitais

líria porto

sou o que escrevo e o que fica
nas entrelinhas

*

apatia

líria porto

sem força ou ação
sentada no banco
só pega no tranco
movida a empurrão

*

terça-feira, 13 de março de 2018

a crista

líria porto

galos brigam mandam trepam –– divertem-se com outras frangas
galinhas botam chocam cacarejam e cuidam dos pintos
:
é a lei do galinheiro e não são coincidências
todas as semelhanças

(o justo é folgado?)

*

quarta-feira, 7 de março de 2018

acidez

líria porto

metade da laranja sou eu
a outra metade também
inclusive casca sementes
e azedume

*

princípio

líria porto

não bati não apanhei
minha arma é a palavra
(tiro de letra)

*

terça-feira, 6 de março de 2018

bodas

líria porto

no início são rosas
que se despetalam
ficam os espinhos

(muitos se separam)

os resignados
põem flores de plástico
até no jardim

(e a morte os junta
no mesmo jazigo)

*

segunda-feira, 5 de março de 2018

olhares

líria porto

a lua lá
o sol ali

ela mais linda
que o girassol

o sol é bi?

*

óbito

líria porto

romantismo ou pieguice
quero morrer do coração
(falhei e disse)

*

após

líria porto

dou mole dás duro
depois desmilingues-te
e viras pro canto
e me ignoras

*

domingo, 4 de março de 2018

lonjura

líria porto

lá na distância
não tem parada
(só tem estrada)
a gente anda
a gente corre
a gente cansa
e quando chega
tem que voltar

*

barro e pedra

líria porto

tem gente doída
que chora e reage
qual fosse ferida
e ainda sangrasse
sob a cicatriz

tem gente durona
não verte uma lágrima
nem em carne viva

*

quinta-feira, 1 de março de 2018

tobogã

líria porto

nasci na planície
mas sou montanhesa
:
adoro o percurso
entre o cume
e o sopé

(o frio na barriga)

*

da transparência

líria porto

não sei do começo
da sequência
do que veio antes ou depois
do que há no momento
e o que vejo é vão é opaco
é o buraco
é um zero à esquerda do cifrão
e não fede nem cheira

*

dedicatória

nus descampados (im)puros
fiamos o plenilúnio

(líria porto)



*















quem tem pena de passarinho
é passarinho

(líria porto)

Arquivo do blog