terça-feira, 27 de dezembro de 2016

rasante

líria porto

viveu como fosse peixe
no ventre da própria mãe
depois rompeu o açude
mostrou as asas as unhas
aventurou-se a voar
quis ser águia

(mas teve medo de altura
e virou galinha)

*

Nenhum comentário:

dedicatória

nus descampados (im)puros
fiamos o plenilúnio

(líria porto)



*















quem tem pena de passarinho
é passarinho

(líria porto)

Arquivo do blog