terça-feira, 30 de agosto de 2016

inesquecível

líria porto

então vieste senhora
diante dos teus algozes
dos seus focinhos dentuças
revelaste as artimanhas
e as entranhas do golpe
travestido de impeachment
(o que existe em suas tripas)

com galhardia e honra
e pela democracia
(ainda que ela sucumba)
terás lugar na história
:
volta querida

*

segunda-feira, 29 de agosto de 2016

quinta coluna

líria porto

há muita mentira jogo de interesses
quem aponta o dedo cheio de certezas
veio para a ceia como fosse judas
por trinta dinheiros
e por traição

*

pandilha

líria porto

piores que tsunamis e tornados
o congresso do momento
sua corja de calhordas
e canalhas

*

rapina

líria porto

urubus rondam o congresso ratazanas
afiam os dentes aguardam para breve
a decomposição da carne as vísceras
da democracia

*

nocaute

líria porto

o verso pode ser
um murro com luva de boxe
(só a pancada –– o choque)
nada de moralismo romantismo
auto-ajuda
ou luvas de pelica

*

a prova

líria porto

cinquenta e quatro milhões
noves fora - nada?
:
sem crime é golpe

*

domingo, 28 de agosto de 2016

modismos

líria porto

entrar na onda
é pra quem fica
na areia
:
vivo em alto mar

*

mármore

líria porto

na parte que me cabe neste minifúndio
exato o tamanho de uma campa
gravem este epitáfio
:
aqui samba
um jazz

*

sábado, 27 de agosto de 2016

arremesso

líria porto

conforme pronunciada
com raiva ou ternura
uma palavra se torna
pedra
                 ou pluma

*

sexta-feira, 26 de agosto de 2016

estrelato

líria porto

a beleza que persigo
tanto se esquiva de mim
alguma coisa de rita
e muito de marylin

(howard e monroe)

*

velho

líria porto

o ofício dos ossos a capa de pele
a carne que sofre a morte
que em breve

*

quinta-feira, 25 de agosto de 2016

trem de doido

líria porto

homossexuais rebeldes
desajustados
briguentos contestadores
grávidas violadas pelos patrões
viciados epiléticos bêbados
putas – todos para barbacena
é lá que se faz o controle
:
uma viagem sem volta

(prendam-me em camisa de flor)

*

pernoite

líria porto

achei que morava em mim
mas não – sou apenas hóspede
deste quarto/ sala
:
só trouxe a muda de roupa
à manhã já vou-me embora

*

quarta-feira, 24 de agosto de 2016

cirrose

líria porto

as dores no fígado
(havia outro verso aqui)
podem levá-lo a óbito

a vida cobra com juro
cada dose de bebida

*

autobiográfico

líria porto

que papelão – um lapso
e tudo ficava escrito
não tinha como
evitá-lo

(vivia nas entrelinhas
nos pés de página)

*

terça-feira, 23 de agosto de 2016

o vinho

líria porto

uvas pisoteadas
a cada estouro das cascas
o caldo tinto – tu vinhas
comemorávamos
o pão eu fazia em casa
o amor trazias
do minho

*

caça

líria porto

sobretudo sobre nada
como um poeta sem tema
que só persegue
a palavra

*

violência doméstica

líria porto

a criança é queixo duro
mas levar tapa na boca
isso só piora as coisas

*

medalha

líria porto

a bandeira brasileira
a nação alegre
yellow red

*

segunda-feira, 22 de agosto de 2016

mulher

líria porto

lua cheia lua nova
lua crescente lua minguante
lua azul lua de mel lua de papel
lua só
:
nua

*

domingo, 21 de agosto de 2016

bem-vinda

líria porto

a chuva penetra o chão
alimenta a floresta e dá de beber
aos rios

*

ambíguo

líria porto

silhueta duma santa
e eu que nasci ateu
implorava àquela virgem
tirasse do meu caminho
aquele cristo cruel
que me batia de dia
e à noite
em minha cama
vinha extorquir meu corpo
furar-me com seu espinho
lamber-me o sangue
e o mel

*

a professorinha

líria porto

vou te ensinar passarinho
faz assim – balança as asas
dá um pulinho e voa

*

checkup

líria porto

olha as calhas os rufos
vê o estado das telhas

limpa os ralos os bueiros
a água não se acumule

a chuva é benfazeja
mas pode nos desabar

(a casa qual nosso corpo)

*

sábado, 20 de agosto de 2016

roteiro

líria porto

quanto me arrependo
não ter conduzido
com mão forte e firme
o leme as rédeas

o tempo não para
o vento prossegue
esparrama os sonhos
e as folhas secas

e é por orgulho
talvez covardia
que vagueio solta
barco à deriva

*

sexta-feira, 19 de agosto de 2016

o galego

líria porto

terezinha por favoire
nosso amoire – o joaquim
sei que é teu mas bem podias
emprestar-mo sem reservas
seus bigodes aprumados
quando esfregam minhas pernas
fazem cócegas me animam
e eu me quedo tão feliz

(prometo-te
o gajo volta inteirinho
sem faltar nenhum pedaço)

*

solas

líria porto

descalço despercebido
lidava com a timidez
mas com roupa de domingo
a igreja abarrotada
na hora da eucaristia
um vexame
:
suas botinas chiavam

*

dodói

líria porto

mija fogo caga brasa
na toada mon amour
finca o pé segura o taco
ou serás em tempo breve
o próximo cadáver

*


quinta-feira, 18 de agosto de 2016

proteção

líria porto

o que tenho no meio das pernas
vive esfolado – o jeito é tomar mais cuidado
e usar joelheiras

*

maravilha

líria porto

elke e eu
a mesma idade
ela morreu
vislumbro a lápide
a frieza do mármore
:
é sempre tão cedo
porém seja feita
a vontade da vida

(dorme criança
ri de deus atenta os anjinhos
e brinca de santa)

*

haicai

líria porto

lua muito branca
flor na lapela do céu
em noite de gala

*

companhias

líria porto

não era sozinha
tinha sua sombra
seus pensamentos
as lembranças
um ou dois espelhos
e ainda
sua autoestima

*

segunda-feira, 15 de agosto de 2016

a louca

líria porto

sou eu mas não sou
pois que perdi o controle
posso passar por mim
dizer bom dia boa noite
reconhecer-me de longe
quem dera de algum lugar
em que alguém me afirme
saber de mim mais
que eu mesma

*

sexta-feira, 12 de agosto de 2016

i(r)mã

líria porto

coincidência ou acaso
destino – seja o que flor
tropecei nas tuas pétalas
só assim me perfumei
e tantos anos depois
também tu tens o meu cheiro
estejamos longe
ou perto

*

origamis

líria porto

mãos livres
fazem dobraduras
papéis ganham o espaço
voam como pássaros
como aviões

(o papel do papel
é ser outra coisa)

*

acertos

líria porto

a coisa está braba
a dupla discute
periquito fala
a fêmea retruca
ela reivindica
direitos iguais
se houver acordo
o casal arrulha
acaso não haja
acabam com tudo
desfazem o par

*

fragrâncias

líria porto

ele enfia a cara
entre suas pétalas
parece que a dona
(pele perfumosa)
tem dentro um jardim
que ele pesquisa
como cientista
seres que procuram
a suprema essência
ou a própria origem

*

quinta-feira, 11 de agosto de 2016

receita

líria porto

quiseram fazer de mim uma mulher direita
trocaram os ingredientes fizeram erradas misturas
e deu no que dei

*

quarta-feira, 10 de agosto de 2016

da sucursal do inferno

líria porto

de hoje em diante
(dez de agosto de dois mil e dezesseis)
todo inocente será réu
e deverá ser punido exemplarmente
:
ladrões criminosos usurpadores
juntamente com a cambada de congressistas
juízes banqueiros empresários latifundiários mídia
representantes das elites e da direita
terão vida boa e o dever de tornar cada vez pior
o salário e os dias do povo

escolas sem partido conduzirão à alienação
serão abolidos os direitos individuais e trabalhistas
sucateadas a saúde e a cultura
dilapidado o patrimônio público e instituída
a exclusão das minorias

pérolas aos porcos

(as reclamações
dirijam-nas
ao mordomo)

*

caliandra

líria porto

eu não sei dizer
quantas vidas tenho

nasci no cerrado
morri tantas vezes

resisti às secas
aos ventos incêndios

espinhos existem
são minha defesa

machuco as serpentes
toda vez que tentam

destruir os ninhos
que eu guardo dentro

*

segunda-feira, 8 de agosto de 2016

gravidade

líria porto

ô vida dura
a gente luta emagrece
pensa que pode tudo
então bambeia o espartilho
e os peitos batem
à cintura

*

platônicos

líria porto

eu aqui tu aí e a lua lá
a aboiar as estrelas puxar as marés
rolar como louca ao redor
do sol

*

perspicácia

líria porto

tímidos e tristes
(observadores)
para disfarçar
usam ironia
um humor sagaz
(beiram o sarcasmo)
porém sentem afeto
por pedras
palavras
cães
gatos
cigarras

(uns são poetas
palhaços de circo
bichos do mato
veterinários)

*

domingo, 7 de agosto de 2016

rolo

líria porto

amava-me como se ama os amigos
e me achava meio doida – eu era doida por ele
o miserável fingia não ver e eu fingia gostar dele
como amigo

*

reflorestamento

líria porto

vovós – árvores frondosas
nascidas em terra fértil

sombra folhas flores frutos
os netos novas sementes

vovós somos matas
virgens

*

sábado, 6 de agosto de 2016

condenação

líria porto

moro sobre a cratera
houve-se um estrondo
um tremor de terra

se houver injustiça
quem vai penar no inferno
é o juiz

*

sexta-feira, 5 de agosto de 2016

responsabilidades

líria porto

querer eu quero
poder eu posso
será que devo?

minhas palavras
não têm o peso
do meu silêncio

quando me calo
torno-me cúmplice
(eu sou covarde?)

porém se falo
eu pago o preço
(desço do muro)

*

quinta-feira, 4 de agosto de 2016

gesto

líria porto

estreita-se a vida
a morte me espreita
e para enfrentá-las
(não com desrespeito)
dou uma banana
pra cada

*

terça-feira, 2 de agosto de 2016

desequilíbrios

líria porto

os que abusam da força
do poder da autoridade
são eles próprios covardes
fracassados impotentes

*

a esmo

líria porto

sem razão explicita
e no meio do nada
a vida faz curva
:
aonde vai a estrada?

*

desalento

líria porto

além da pele
secaram-se-lhe a alma
o desejo
desgraça pouca
é bobagem

(e a vida se escoa
e a morte não chega)

*

dedicatória

nus descampados (im)puros
fiamos o plenilúnio

(líria porto)



*















quem tem pena de passarinho
é passarinho

(líria porto)

Arquivo do blog