domingo, 21 de agosto de 2016

ambíguo

líria porto

silhueta duma santa
e eu que nasci ateu
implorava àquela virgem
tirasse do meu caminho
aquele cristo cruel
que me batia de dia
e à noite
em minha cama
vinha me extorquir o corpo
furar-me com seu espinho
lamber-me o sangue
e o mel

*

Nenhum comentário:

dedicatória

nus descampados (im)puros
fiamos o plenilúnio

(líria porto)



*















quem tem pena de passarinho
é passarinho

(líria porto)

Arquivo do blog