terça-feira, 11 de agosto de 2015

varredura

líria porto

soltam-se folhas
curvam-se cerdas
formam-se bolhas
nas mãos das servas

vassouras varrem
o vento suja
vento não sabe
quanto lhes custa

*

Nenhum comentário:

dedicatória

nus descampados (im)puros
fiamos o plenilúnio

(líria porto)



*















quem tem pena de passarinho
é passarinho

(líria porto)

Arquivo do blog