terça-feira, 13 de janeiro de 2015

sem dono

líria porto

ao cabo e ao fim
o rabo não abana
orelhas murchas

a vida é osso
tu não queiras ser
pulga nesse couro

(coceiras surgem de
vagar)

*

Nenhum comentário:

dedicatória

nus descampados (im)puros
fiamos o plenilúnio

(líria porto)



*















quem tem pena de passarinho
é passarinho

(líria porto)

Arquivo do blog