sexta-feira, 14 de junho de 2013

rajada

líria porto

resisto sobre o penhasco
no derredor há crateras
se o vento ficar mais forte
desabo e arrasto o céu

eu tenho um rombo na goela
padeço de tosse seca
os corpos nossos – tão frágeis
quem não cede é a natureza

*

Nenhum comentário:

dedicatória

nus descampados (im)puros
fiamos o plenilúnio

(líria porto)



*















quem tem pena de passarinho
é passarinho

(líria porto)

Arquivo do blog