sexta-feira, 13 de junho de 2014

da arca de noé à torre de babel

o grande o pequeno o absurdo o invisível o improvável
o amor o ódio o céu o inferno o ar o mar a terra o rio a floresta
o incêndio o dilúvio o barulho o silêncio
o jogo a jogada a malandragem
o feio o bonito
o olhar
o orvalho a flor a raiz
a poesia
quaisquer sentimentos
quaisquer palavras
deus e o diabo
tudo cabe no poema

*

Nenhum comentário:

dedicatória

nus descampados (im)puros
fiamos o plenilúnio

(líria porto)



*















quem tem pena de passarinho
é passarinho

(líria porto)

Arquivo do blog