terça-feira, 30 de abril de 2013

retalhos

líria porto

rosas vermelhas – tão belas
(não vou colhê-las)

vou deixar que o vento as leve
(suavemente)

que elas pousem na relva
(quais borboletas)

e teçam um lindo tapete
(o mais efêmero)

onde o meu amor se deite

*

Um comentário:

Caroline Godtbil disse...

Pura doçura...
Beijos.
Seguindo...

dedicatória

nus descampados (im)puros
fiamos o plenilúnio

(líria porto)



*















quem tem pena de passarinho
é passarinho

(líria porto)

Arquivo do blog