segunda-feira, 20 de maio de 2019

a nova política

líria porto

quase um batalhão
oitenta balaços
e um artista negro
a tingir de sangue
o chão da sua pátria

o que fazia ele
o mártir?

levava a família
comemoravam a vida
de um menino negro
que um dia será vítima
do mesmo preconceito

*

Nenhum comentário:

dedicatória

nus descampados (im)puros
fiamos o plenilúnio

(líria porto)



*















quem tem pena de passarinho
é passarinho

(líria porto)

Arquivo do blog