quinta-feira, 30 de maio de 2013

rasto de onça

líria porto

toda vez que vi a morte
rodei sobre os calcanhares
deixei-a para trás

(um dia ela me alcança
empurra-me pelas costas
e eu caio de boca)

*

Nenhum comentário:

dedicatória

nus descampados (im)puros
fiamos o plenilúnio

(líria porto)



*















quem tem pena de passarinho
é passarinho

(líria porto)

Arquivo do blog