domingo, 31 de julho de 2011

calada

líria porto

o que tenho a dizer – muito pouco
nada que um louco já não o tenha
bendito

*

honra

líria porto

eu tu ele
em breve seremos defuntos

sairemos deste planeta
pelo portão dos fundos
                ou pela porta da frente?

*

quinta-feira, 28 de julho de 2011

súbito

líria porto

nem bem pisco é outro dia
ah o tempo  esse corisco

*

terça-feira, 26 de julho de 2011

des_vario

líria porto

vovó e a vizinha vão ao vaticano
vovô - vulnerável - vê a viúva vacila
verte vinho e vodka

(vícios de varão)

*

segunda-feira, 25 de julho de 2011

baque

líria porto

então tu me arrastas
depois me carregas
voo em tuas asas
e quando me largas
não tenho sossego
só quero teu corpo
teu hálito
           teu sexo

*

escalpo

líria porto

depilar axilas pernas virilha sobrancelhas
fácil como assassinar alguém e soprar a fumaça
da navalha

*

tédio

líria porto

lá no céu há um camelo
a ruminar o azul como se fora
chiclete

*

agulhas

líria porto

eu teço linhas e letras
novelas e novelos

quem quiser vê-los revê-los
é só me ligar

*

domingo, 24 de julho de 2011

ferida

líria porto

não me enviem rosas
mandem-me amores-perfeitos
hortênsias begônias
margaridas
(flores sem cheiro e espinho)

também aprecio capim

*

canteiro

líria porto

resolvi alguns pepinos
conversei muita abobrinha
lavo agora os pés de alface
do meu xuxu
:
((não é erro (h)ortográfico
é carinho))

*

indisponibilidade

líria porto

pre/ocupação
pós-ocupação
a sobrevivência
e os nossos sonhos
e os nossos planos
os nossos momentos
para as calendas
:
se assim preferes
é assim que eu quero?

(não)

*

sábado, 23 de julho de 2011

falta

líria porto

ah meu amor como podes
há muito tu não me envias
notícias dos teus bigodes

*

filha-da-mãe

líria porto

dizia minha mãe
a vida é uma flecha
eu não cria

(crias não deviam duvidar)

*

sexta-feira, 22 de julho de 2011

para espantar a solidão

líria porto

lilás é azulada
não puxa para o roxo
e mora lá em casa

seu corpo de tule
flauteia revoa
às vezes me empurra


lilás é fantasma?

*

hermes

líira porto


sapatos sobre a cama
(sem os meus pés)

qual foi o saci que fez isso
sapatos não (as)saltam sozinhos

ou (as)saltam?

*

para variar

líria porto


sol frio
lua pela metade
e a risca no céu
a separar
os territórios

(os dois vivem
brigados)

*

fel

líria porto

castelo coroa cetro
riqueza e sangue azul
tinha tudo pra ser nobre
mas era um déspota
um facínora

*

quinta-feira, 21 de julho de 2011

reserva

líria porto

pedi-lhe água ela disse
nem falo teu nome menina
por que conversas comigo?

trabalhou em nossa casa muitos anos
tornou-se madrinha da minha irmã
chamava mamãe de comadre
cresci fiquei moça
mas nunca nunca mais
trocamos uma palavra

(ninguém percebeu
eu tinha sete anos)

*

dispositivo

líria porto

tristezas
culpas
remorsos
atingem-nos
e provocam
doenças

alegria
é válvula
de escape

*

quarta-feira, 20 de julho de 2011

definição

líria porto

amiga é a irmã nascida doutra barriga
amigo é o amor com quem não nos casamos

*

de lapidação

líria porto

menina eu era imensa
fiquei depois pequenina
com o tempo sigo a tendência
vou virar formiguinha

*

a mão livre

líria porto

quando formos banidos da face da terra
e a era dos homens não mais existir
na serra haverá uma pedra
nossos nomes gravados
                                       no mármore      

*

terça-feira, 19 de julho de 2011

desenho

líria porto


atrás do lápis
a mão segue o traço
desliza sobre o papel
sobe a linha desce
alinha-se
vai à frança
volta voa

a mão é a sombra – a poesia
a torre eiffel

*

domingo, 17 de julho de 2011

cadela

líria porto

quando eu crescer quero ser do seu tamanho
e beijar todos os homens e todos os cães
sem pedigree

*

desencanto

líria porto

uma lágrima empapuçada
transformou meu travesseiro
nesse charco
:
coach coach coach
o príncipe virou sapo

*

sábado, 16 de julho de 2011

tira/colo

líria porto

uma dor oblíqua transpassa-me a alma
é uma dor ardida que de tão antiga
carrego-a com alça

*

ovação

líria porto

por ele fiz versos
virei-me do avesso
plantei bananeira
cortei os cabelos

ele?
mandou-me cultivar
tubérculos
:
palmas para mim
ele não me merece

*

sexta-feira, 15 de julho de 2011

céu

líria porto

deitei-me com leminski
não queiram saber o que houve
e nem contem para alice

(nesta noite
                    vi estrela)

*

quinta-feira, 14 de julho de 2011

posseiro

líria porto

minha terra tem pauleira
onde cantam as maritacas
tem cacetada pr'os pretos
para as putas e para os pobres

minha terra nem é minha
eu a ocupo por hora
(planto arroz mandioca milho)
porém a qualquer momento
a polícia com mandado
convida-me a dar o fora

vou pra onde com meus filhos?

*

terça-feira, 12 de julho de 2011

revoada

líria porto



os pombos as pipas
nos meses de julho e agosto
disputam o azul

*

santos e demônios

líria porto

entre tantos tão comuns
houve uns que bem ou mal
pairaram sobre tudo
e todos
:
estes fizeram a história

*

chulé

líria porto

ele gruda no seu pé
mas ela o chuta

e ele diz que é
força bruta

*

segunda-feira, 11 de julho de 2011

pontaria

líria porto

olhar é mirar estrela
varar com flecha acertar
o álvaro

*

sábado, 9 de julho de 2011

sa_fada

líria porto

flor delicada recebe um por vez
então meus amores  por favor
organizem a fila

*

sexta-feira, 8 de julho de 2011

marrento

líria porto

não procuro
espero
uma hora
o sumido
aparece

(macio como luva
de box)

*

parecença

líria porto

tem nada tal qual
tudo é diferente
e nem se compara

*

quinta-feira, 7 de julho de 2011

de água pra vinho

líria porto

avô c. era um velhinho
que depois do avc
não falou coisa 

com causa

só fez

(e aprontou cada uma)

*

quarta-feira, 6 de julho de 2011

meta_morfose

líria porto

depois de viúva
virou uma uva
:
precisava de rima

(rima pobre
bem se diga)

*

tapa-olho

líria porto

em meu ombro
pirata (é) papa
(gaio)

*

pálpebras

líria porto

de manhã abro a janela
e deixo o sol penetrar
no corpo da casa

à noite fecho-a de novo
(estrelas ficam lá fora)
eu durmo dentro
do ovo

na lua cheia
não tenho
regras

*

terça-feira, 5 de julho de 2011

funil

líria porto

quando a luz oblíqua faz crescerem as sombras
e o sol indica que os dias tombam
voo para casa de asas caídas
pois a vida encurta-se
e eu perco
forças

*

minúscula

líria porto

grave como grão na grota
ao emergir do envoltório da pupa
a letra mostra as asinhas

*

barraco

líria porto

precisa choque
algo que a provoque
para virar uma fera

disparado o processo
não queiras ficar por perto
é caco pra todo lado

*

segunda-feira, 4 de julho de 2011

biruta

líria porto

como pipa perdida
(o cerol rompeu tua linha)
cais de ponta
          em cada esquina
em qualquer bar
botequim
tem mais cuidado menina
há lobo mau a fim de

*

imperfeições

líria porto

o que fazer destes versos
que ao virá-los do avesso
estão repletos de nós?

*

muquiranas

líria porto

alguns bagulhos problemas sem solução
objetos em desuso que em porão se acumulam
hão de servir para outros – coisas de oitava mão?
:
tem quem faça caridade com o lixo o resto
o inútil

*

domingo, 3 de julho de 2011

bipolares

líria porto

côncavos convexos
complexos simples
aclives depressões

*

surucucu

líria porto

a serpente segue sem saber se é suficiente
ou se é somente essa sucessão de sibilos
:
ssssssssssssssssssssssó

*

sábado, 2 de julho de 2011

rede

líria porto

sol lá fora cortinas abertas
as meninas dos olhos
caçam borboletas

*

ausências

líria porto

as luzes e as sombras
bordaram nas montanhas
uns pontos
                 sem nós

*

sexta-feira, 1 de julho de 2011

buque (lê-se book e não buquê)

líria porto

vira os olhos
faz biquinho
cruza as pernas
olha o céu
a modelo
coitadinha
click click
flash flash
o fotógrafo
exagero
click click
flash flash
não tem pena
:
não é passarinho

*

não é de graça

líria porto

caiu do céu é chuva
meteoro pipa pássaro
avião ou falcatrua

*

dedicatória

nus descampados (im)puros
fiamos o plenilúnio

(líria porto)



*















quem tem pena de passarinho
é passarinho

(líria porto)

Arquivo do blog