quarta-feira, 30 de abril de 2014

disparada

líria porto

minha asa é do lado de dentro
e eu voo é no galope

*

opção

líria porto

para chegares a mim
tens uma rua reta ou uma rua
torta

a primeira te traz depressa
a segunda te traz alegre

(o que mais importa?)

*

im_pulso

líria porto

procuro na gaveta um verso
e uma caneta – encontro um estilete
e uma conta vencida

*

com_pressa

líria porto

esfrega as mãos e as aquece
escreve versos de amor
alivia a dor da alma
co'a energia
do corpo

*

segunda-feira, 28 de abril de 2014

ventríloquos

líria porto

o que eu quis e quero não é ser atriz
é escapar – nem que seja por um triz – da vida medíocre
dos fantoches

*

belíssima

líria porto

são paulo sofre de insônia
acorda antes do sol
e quando cochila ronca
revira as margens
o leito do tietê
e do rio pinheiros
:
são paulo não para
nem para ver a garoa
nem para olhar
a paisagem

(são paulo é uma linda senhora
hiperativa)

*

ameaça

líria porrto

meio assim
à flor da pétala
o coração aos pinotes
qual potro acuado
pela tempestade

*

despetalar

líria porto

flor de miosótis
flor de açucena
flor de qualquer jeito
(grande ou pequena)
flor que desabrocha
dentro do teu peito
mas que fora murcha
seca
sem cor sem perfume
e nem nome tem

*

sexta-feira, 25 de abril de 2014

papel-carbono

líria porto

u'a mão lava as ostras
u'a mão suja a outra
um irmão

*

da pesada

líria porto

só me phode quem pode
quem eu deixo
quem tem nome de santo ou de peixe
carta de alforria e peito para enfrentar
mulher com estria e excesso
de peso

*

quinta-feira, 24 de abril de 2014

farpa

líria porto

se eu me calar
não penses que fiquei sem palavras
pode ser tua cerca de arame
a cercear minha alma

*

jeca

líria porto

a cidade ferve
borbulha pressa ansiedade
sinto saudades dos netos
das minhas aulas de flauta
:
eu vou embora
no sábado

*

escapatória

líria porto

maria fugiu de casa – quis ser quem é
sem ninguém para esconder-lhe a capanga
a sacola de plástico onde guarda
as risadas

maria deu no pé

*

quarta-feira, 23 de abril de 2014

conto de foda

líria porto

o príncipe
casado com princesa jovem e elegante
tinha por amante a mulher velha
que ele amava e ainda ama
igual rainha

*

dona flor

líria porto

amou ou dois
o que lhe alegrava a carne
e tinha beijo concreto
e tinha cheiro de macho
e o outro  o muso
o seu amor de verdade
a alimentar-lhe o sonho
qual fosse doce
ou amargo

*

glacê com pimenta

líria porto

os dois canos da espingarda
iguais em tudo
nos sonhos nos ideais
nos tiros assim sem rumo
que disparavam a esmo
:
uma virou madame
vai à missa tem marido
a outra é guerrilheira
feiticeira meio bruxa
ateia fogo no mundo
não acredita em deus
ainda assim faz milagre

(garantem que vão pro céu)

*

emoção

líria porto

rio caudaloso
a ultrapassar as margens
transbordar os olhos
deixar as mãos trêmulas
buscar as palavras
dizê-las na enchente
em pleno silêncio

*

bicho

líria porto

às vezes sou um caramujo
sujo
encolhido no intestino
da alma

*

terça-feira, 22 de abril de 2014

amorável

líria porto

meu coração bate e apanha
no leito doze da uti

*

perigo

líria porto

a vida joga pedra com bodoque
porém a morte usa ar15

*

segunda-feira, 21 de abril de 2014

abatimento

líria porto

não movo um músculo a vida me leva
parece me empurra me joga no fluxo
das águas que caem e batem
na pedra

*

capetinha

líria porto

de anjo esse anjo
só tem chifre
e rabo

*

shéhérazade

líria porto

deitar a teu lado
contar-te histórias sem fim
atravessar o portal
não deixar que sintas frio
ser teu amor tua âncora
a conexão
:
a vida

*

domingo, 20 de abril de 2014

antídotos

líria porto

cisco no olho
pedra no sapato
qualquer outro incômodo
inveja mau olhado
podem nos jogar
no fundo do buraco
:
arruda na orelha
figa no pescoço
banho de sal grosso
até reza braba
podem nos livrar
da urucubaca

*

contínuo

líria porto

sem pausa sem intervalo
sem condição eu te amei
até mesmo quando a dúvida
punha-me na contramão

*

sexta-feira, 18 de abril de 2014

laboratório

líria porto

reboco meus pensamentos
com massa cinzenta

pinto as emoções
com duas demãos
de sangue

*

sonho

líria porto

eu quis entrar no teu sono
assim mesmo – de penetra
dançar a dança do ventre
tirar um a um nossos véus

*

a garça

líria porto

no cume da pedra
sobre um só pé
à beira dágua

*

quinta-feira, 17 de abril de 2014

bruma

líria porto

eu senti
tu sem mim
na neblina

*

cerração

líria porto

a neblina
xale de tule
e a serra
elegantíssima
camisola vaporosa
de nuvem

*

terça-feira, 15 de abril de 2014

drummondeio

líria porto

no meio do caminho tinha uma pétala
tinha uma pétala no meio do caminho
tinha uma pétala
no meio do caminho tinha uma pétala
e muito espinho

*

conchas

líria porto

ouve amor – o chamado do mar
vamos juntos percorrer a praia
divagar entre as vagas
recolher a espuma
deixar na areia
as pegadas

ouve amor
o meu chamado
iremos de mãos dadas

*

segunda-feira, 14 de abril de 2014

essenciais

líria porto

vão-se as pessoas vãs
as válidas ficam
fincam-se em nosso coração
e criam raiz

*

histerectomia

líria porto

dentro de mim tinha um verso
qual um filho prematuro
sentia seus movimentos
eu tinha um verso no útero

*

raios

líria porto

tu não me atendes – trovejo
tento infiltrar-me em teu sonho
não tenho a chave
o código

eu chovo enxurro evaporo-me
sou qual a nuvem cinzenta

*

sábado, 12 de abril de 2014

o apito do trem

líria porto

as filhas as árvores o livro
quando a morte chegar nem vai
arrumar amá-la

piuiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiii

*

sexta-feira, 11 de abril de 2014

batuta

líria porto

poeta sem reticências vírgula pontuação
tem que respirar no compasso
da música

*

velho

líria porto

espécie de vulcão extinto
vez por outra entra em erupção
derrama lava

e cinza

*

fantasia

líria porto

as coisas que invento
perdi a dimensão da realidade
:
o que existe
além do imaginário?

*

quarta-feira, 9 de abril de 2014

nosso senhor

líria porto

não hesita em abrir nossas coxas
depois contrata o açougue
para retirar o produto
do gozo

não quer saber de mestiços

*

contr_alto

líria porto

correr o risco
caminhar sem sapatos sobre o fio da navalha
misturar sangue e terra

música maestro

*

segunda-feira, 7 de abril de 2014

derrapagem

líria porto

guinada na direção freada brusca
súbito o coração susto medo
incerteza

*

espreita

líria porto

eu passo
ele me olha
eu volto
ele move os olhos
até parece uma estátua
e quando mais eu me afasto
o gato mia

eu olho
o gato some

*

uti

líria porto

meu amor 
exposto 
atado a fios 
não manda
e nem decide
o que cultiva
faz séculos

eu?

protesto
envio-lhe
todos os beijos
carinho
mas não consigo
mudar a forma
das conchas


(o ambiente
é estéril)

*

reprodução

líria porto

na semente mora a floresta
no grão de areia o deserto
a chuva num pingo dágua
a humanidade
num feto

*

mescla

líria porto

o céu de beagá passeia em curitiba
o azul magnífico e um sol de rachar
vieram aquecer o infinito
de leminski

(em causa própria)

*

pêndulo

líria porto

basta estar vivo
quem vai primeiro depois
quem detemina – o destino?

basta estar vivo repito
a hora chega partimos
na hora certa
não antes

*

pileque

líria porto

bar doce barco
a levar-nos trôpegos
de volta pro leito

*

quinta-feira, 3 de abril de 2014

imaginação

líria porto

pés no chão cabeça nas nuvens
pensamentos ao sabor do vento qual bandeira
desfraldada

*

terça-feira, 1 de abril de 2014

mentira

líria porto

o nariz do pinóquio
não fede nem cheira

*

equívoco

líria porto

eu tenho uma flautinha doce
de som azedo amargo
apimentado

eu tenho uma flautinha doce
destemperada

*

dedicatória

nus descampados (im)puros
fiamos o plenilúnio

(líria porto)



*















quem tem pena de passarinho
é passarinho

(líria porto)

Arquivo do blog