quinta-feira, 28 de fevereiro de 2013

renúncia

líria porto

pensou-se deus
e a divindade pesou tanto
que pediu arrego

(não por humildade
por fraqueza)

*

leitura

líria porto

depois de alguns parágrafos
fez das linhas do escritor
as suas próprias
palavras

*

quarta-feira, 27 de fevereiro de 2013

drible

líria porto

escapei por um triz – a tristeza me quis
mas tirei o corpo fora e dei chance
à alegria

*

terça-feira, 26 de fevereiro de 2013

brincadeira

líria porto

a vida é um novelo
que a gente enrola e enrola-nos
os dias passam entre os dedos
até que o fio se rompa

ah
essa vida
é uma bola

*

falso

líria porto

eu sempre te olhei nos olhos
e tu – eu creio – mentiste-me

(não percebi as mudanças
não me disseste observa-te
não és aquela criança
e agora espelho
estou velha)

o tempo sulcou minha pele
tenho a cabeça mui branca
e olhos que não te alcançam
:
tu foste falso enganaste-me
fingiste que eu era bonita

*

segunda-feira, 25 de fevereiro de 2013

alianças

líria porto

eu nada sei de finanças
tropeço em coisas contábeis

meu preço é negociado
não tão difícil nem fácil

porém eu não faço
conchavo

*

domingo, 24 de fevereiro de 2013

extraterrestre

líria porto

amar-te é de morte é de marte
é tão distante e tão perto –– não sei se sorte ou azar
tamanho sentimento

*

príncipe

líria porto

quando a história for para o brejo e virarmos sapos
não te esqueças de coaxar bem longe
para eu não pular atrás

*

sereia

líria porto

escamas verdes
conchas e estrelas nos cabelos
brincos de águas marinhas
:
as estradas do mar não têm pedágio
posso te esperar no cais

*

sábado, 23 de fevereiro de 2013

en_cruz_ilhada

líria porto

um quarto de mim sou eu
os outros três
resistem ao divã do analista e/ou
a qualquer que se diga capaz
de varrê-los

*

mãos em concha

líria porto

os versos que te trouxe vazaram-me entre os dedos
espalharam-se pelo chão – sementes para os jardins
de amanhã

*

quinta-feira, 21 de fevereiro de 2013

esquisitão

líria porto

escondido numa loca
nos confins d'algum lugar
é lá que mora o gentil
longe de tudo e de todos
o próprio bicho do mato

não é alegre nem triste
é só um pobre diabo
um sertanejo comum
que se isolou desse mundo
para ter tranquilidade

*

quarta-feira, 20 de fevereiro de 2013

quase

líria porto

o sol é relógio
quando aparece despertas
a pino estás com fome
inclina-se e já cochilas
depois ele some
e tu roncas

és girassol ou és urso?

*

terça-feira, 19 de fevereiro de 2013

os_tentação

líria porto

eles têm belas penas boa pelagem
e elas – as fêmeas – são simples

conosco seria diferente?

(as leoas não têm jubas)

*

segunda-feira, 18 de fevereiro de 2013

desalmado

líria porto

teu coração é uma pedra
(não um seixo um cascalho)
teu coração é um rubi
vermelho preso à dureza
da carne
:
teu coração bate em mim

*

sufoco

líria porto

nós na garganta é a corda que nos mortifica
se não se lhe diz um basta ela nos trucida

*

conclusão

líria porto

temos sorte – quase setenta anos
e não nos levamos à morte

(precisamos aprender com acertos
erros ensinaram-nos bulhufas)

*

domingo, 17 de fevereiro de 2013

zero a zero

líria porto

pífia
cheia de empáfia
achava-se magnífica
e o máximo que conseguia
era empatar nosso tempo

*

última estação

líria porto

caíram-lhe os peitos as pálpebras o ânimo
e o inverno tornou-a mais fria que o mármore
da sepultura

*

sábado, 16 de fevereiro de 2013

imprevisto

líria porto

chegou aqui – eu saíra
terá vindo sem aviso
surpresas são o diabo
podem dar em_burro n'água
posso estar acompanhada
ou com dores de barriga

*

livre

líria porto

enquanto durmo
a minha alma vagueia
por outros mundos

vai a vênus marte lua
aos anéis de saturno
conhece céus e infernos
mas não me conta
os detalhes

hora dessas voo junto
e não sei se volto

*

sexta-feira, 15 de fevereiro de 2013

febris

líria porto

versos com bactérias e vírus
capazes de contaminar-nos –– de se espalharem
como epidemia

*

ala psiquiátrica

líria porto

falo co'as paredes
bom dia paredes
como estão
elas respondem irritadas
tão paradas quanto os postes
sem enfeites pichações
quadros espelhos
sem nada
e tão pálidas quanto
os mortos

*

quinta-feira, 14 de fevereiro de 2013

manancial

líria porto

o mar de minas –– (in)visível
dissolveu o sal abriu as veias
verdeceu as colinas e serpenteia
nos rios córregos
e riachos

*

quarta-feira, 13 de fevereiro de 2013

historinha

líria porto

dois passarinhos
tamanho de um grilo
namoravam-se ao crepúsculo
quando veio um gavião
:
eu sou muito perigoso
os dois responderam juntos
nada é mais que nosso amor
podemos vencer o mundo

diante de tal firmeza
o bicho mau desistiu?

não

*

intocável

líria porto

com velho a gente não mexe
velho não sai de onde está
(se o velho for insensato
cabeça-dura teimoso
desconhecer o que é gozo
não sonhar quiser sofrer)

*

mudança

líria porto

arrumei os meus teréns
e entre trecos e tralhas
trouxe dobradas na mala
todas as possibilidades

*

terça-feira, 12 de fevereiro de 2013

prato esmaltado

líria porto

arroz com molho e sardinha
às vezes couve com ovo
e era tão saboroso
que me dá água na boca
lembrar-me daqueles dias
de pouco dinheiro
e muita alegria

*

constatação

líria porto

depois que ficamos velhos
a mala das roupas é menor
que a dos remédios

*

respeito

líria porto

relaxa amor
deixa a poeira sentar
deixa rolar o que queiram
tuas questões não são minhas
não vou meter o bedelho
em decisões alheias

*

capina

líria porto

o mato cresce
um homem aparece com enxada
e foice

dessa vez não escapo
eu sou o joio

*

verdade

líria porto

num ato de coragem
vestiu a fantasia e rasgou
a realidade


*

segunda-feira, 11 de fevereiro de 2013

octogenária

líria porto

abolidos o batom a tintura nos cabelos
os saltos o esmalte as joias o relógio
lá vai a vovó – sem vaidade nenhuma
rumo à sua hora

*

domingo, 10 de fevereiro de 2013

sem adereços

líria porto

vovó caducou
ficou sem roupa
e exposta

foi presa
por atentado à beleza
não atentado ao pudor

*

zangões

líria porto

quais catadores de mel
os homens se submetem
às ferroadas do amor
às armadilhas
do sexo

*

malogro

líria porto

unidos como os canos da espingarda
mas os tiros saíram pela culatra

*

sábado, 9 de fevereiro de 2013

desapontamento

líria porto

escrevo meu nome
espero e o verso
não vem

o papel amarela
envelheço e durmo
sobre a ilusão

sonho acordo
tenho fome de mim
e contas a pagar

*

quinta-feira, 7 de fevereiro de 2013

suspiros

líria porto

que todas as claras gemam pelos morenos
mestiços e negros

*

quarta-feira, 6 de fevereiro de 2013

lentidão

líria porto

meus ponteiros
tão lerdos quanto meus pés
não conseguem alcançar as horas

coisas de velho

*

sorte

líria porto

chegada a nossa hora nada de vacilo
cavalo encilhado e de raça só passa
uma vez

o resto é pangaré

*

terça-feira, 5 de fevereiro de 2013

altura

líria porto

tinha que crescer para entender tudo
mas concluiu – precisava ser mais de mil metros
e não um metro e sessenta

*

palavras ao vento

líria porto

as primeiras garatujas
em aviões de papel
foram bilhetes de amor
endereçados ao mestre

castigos depois da aula
eram prêmios
:
inocentes também amam
brutalmente

*

segunda-feira, 4 de fevereiro de 2013

lembranças de borboleta

líria porto

nem que seja por instantes
a folha voa enquanto
cai

antes ela farfalha
dançam nos braços
da árvore

*

secreto

líria porto

não sei bem o que acontece
eu aqui ele lá longe
ponho-me em sua cama
entre ele e a mulher
então ele me procura
e ouço quando ela geme

não sei se é dor
se é gozo

(eu nunca sei)

*

penúria

líria porto

sob a chuva dos meus olhos
o sertão se esfarinha

*

in_fusão

líria porto

liquefaço-me em teus braços
penetro bem lá dentro dos teus poros
o meu sangue é agora o teu sangue
tua pele é quem bebe
meu suor

eu tu nós
nus

*

domingo, 3 de fevereiro de 2013

backup

líria porto

só tenho um rim
o outro morreu antes de mim
e não me faz falta

*

moderação

líria porto

só um bocadinho – pra matar vontade
pra fazer de conta que tudo se pode
sem passar da dose

(ter só um pouquinho
é pior que nada)

*

sábado, 2 de fevereiro de 2013

dos atrasos e distrações

líria porto

a rua era a via que me conduzia
mas na avenida havia tanta vida que até a morte
ficava atrás do poste ou se disfarçava
:
mudava o itinerário

*

aprendiz de feiticeira

líria porto

tenho talento para tanto
transformar-te em tarântula
e não morrer do veneno

*

atados

líria porto

já não me iludem as cores – desmanchei o arco-íris
eu quero o preto no branco
                                            tais quais nós

*

diplomação

líria porto

a menininha embirrava
conseguia o que queria
então vovó cochichou-lhe
também quero ser atriz
vou aprender essa birra
e a pestinha berrou
aaahhhhhh
a vovó fez igualzinho

grita mais forte vovó
aaaahhhhhhhhhhh
e bate também o pé
a vovó não teve dúvida
menininha completou
agora estufa a barriga
e põe o dedo na boca
assim mamãe tem mais dó

*

na sacristia

líria porto

o riso de rosa é raso
rezas por ela e a abusas
e isso bem sabes
                     é pecado
                     é injúria
é falta de caridade

*

temores

líria porto

nestas tardes de torpor e tédio
tenho estado tão triste

à noite a morte espreita-me

*

dedicatória

nus descampados (im)puros
fiamos o plenilúnio

(líria porto)



*















quem tem pena de passarinho
é passarinho

(líria porto)

Arquivo do blog