sexta-feira, 30 de novembro de 2012

colo

líria porto

sou eu quem baldeia maria
levo-a por todo canto
vejo transbordar-lhe o riso
insisto em secar-lhe o pranto
:
rio-me às cataratas

*

quinta-feira, 29 de novembro de 2012

alagado

líria porto

não peçam nem meçam o que faço
doo-me espontânea assim que poça

*

cobertor de orelha

líria porto

nem marido nem namorado
alguém que se deite comigo
e respeite o meu lado

*

safra

líria porto

os zeros não são nulos
os milhões são grãos de milho
para alimentarem os filhos
dos pobres de todo o mundo

*

escudo

líria porto

tenho em torno
do meu corpo
um exército
de almas boas
que me salvam
e me protegem
dos espíritos
obsessores

*


quarta-feira, 28 de novembro de 2012

tecelagem

líria porto

tão cedo eu me acordo com aurora no quarto
eu cerro meus olhos preciso é dormir
lá longe se escuta o canto de um pássaro
adeus meu sossego tem verso na agulha

tal como a bigorna que bate que surra
que insiste em dar forma às barras de ferro
assim faz a mente com meu sentimento
até que ele tenha compasso de música

vem dia vem noite vem sol e vem chuva
a lua se esconde por trás de uma nuvem
porém meu poeta lhe sai à procura

vasculha os escuros o espaço o infinito
arreda as estrelas recolhe a neblina
faz tudo o que pode – sua lua o sepulta

*



terça-feira, 27 de novembro de 2012

ao pé da árvore

líria porto

palhinhas e galhos secos
um ninho quase completo
o vento a fazer besteira
tem passarinho sem teto

*

rangidos

líria porto

a cadeira de balanço
suas molas tão antigas
suportaram sucessivas
barrigas de nove meses

*

poema para wânia

líria porto

ela aleitou a letícia e também a luciana
lavou-lhes fraldas cabelos - minha irmã já tens o céu
isso é merecimento não precisas rezar tanto
podes rasgar o verbo as meninas são mulheres
e agora o mundo é delas

*

folgados

líria porto

tal como o domingo ou sábado à tarde
um vestido velho um par de chinelos
o riso do amigo um disco antigo
um nó desfeito

*

babado

líria porto

a vida não é justa
- é plissada franzida godê -
e é curta

*

emoção

líria porto

um canto em cada canto
tal encanto a transbordar-me
se eu cantasse acalantos
guardava espantos na lágrima
teria nós na garganta
seria santa ao contrário

*

biruta

líria porto

para onde vou eu não sei
de onde vim nem me lembro
eu cá estou en_caminho-me
com essas asas de vento

*

segunda-feira, 26 de novembro de 2012

compromisso

líria porto

respondo pelo que faço
mesmo quando eu me perco
nalguma queda de abraço

*

acusação

líria porto

apontou-me o dedo assim
como se fora um revólver
dei meia volta e senti
a dor de um tiro
nas costas

*

acerto

líria porto

pode chover canivete faca prego punhal
quando devo eu pago mas também pego
meu troco

*

leviana

líria porto

botei-a numa bateia
junto com muita gente
peneirei lá não ficaste
só selecionei as gemas
as que têm muito valor
que se prestam à amizade
jamais à enganação
à cobiça ao interesse
:
fica longe bem atrás
de ti eu quero
distância

*

atração

líria porto

quem quer não espera
os rios caminham e os mar os recebe
de águas abertas

*

domingo, 25 de novembro de 2012

desjuízo

líria porto

eu tento entender o vento
ouvi-lo um pouco mais calma
porém perco a paciência
ele vai vem assobia
tira a roupa do varal
bate a porta espalha as folhas
enche a casa de poeira
não presta atenção em mim

*

vogal

líria porto

assim eu me assanho
assim eu me assento
assim eu me assisto
assim eu me assomo
assim eu me assunto
:
nua

*

friagem

líria porto

de lá nevoeiro
de cá sentimentos nublados
que buscam encontrar noutros braços
um cadinho de sol

*

troco

líria porto

a vida esmurrou-lhe o fígado mas não foi a nocaute
revidou com força deu-lhe uma baita banana
e seguiu sua estrada

*

humor

líria porto

o sol não veio – é domingo
a nuvem cinza espreguiça-se
se o tempo faz cara feia
quem vai ter cara bonita?

*

justiceiro

líria porto

um raio atingiu
aquele que contra os seus
impetrou palavrões fez desfeitas
invocou o coisa ruim
tentou destruir saquear
quem lhe deu a luz
doou-lhe sangue feijão
e peixes

*

sábado, 24 de novembro de 2012

providência

líria porto

se a dor é funda viro-me do avesso
mas se a dor é rasa corto-lhe as asas
e as penas

*

sexta-feira, 23 de novembro de 2012

recato

líria porto

com a lua eu me esbaldo
porém as estrelas
brilhantes pontudas
cheias de si e de orgulho
estas me calam
eu me assombro
eu me escondo
eu não falo

*

imaginação

líria porto

a lua é uma bola uma hóstia uma moeda um queijo
ou a_penas um satélite com lugar garantido na vida
do poeta?

*

calores

líria porto

um pôr de sol das arábias
daqueles de areia quente
e a lua que se prepara
pra sua dança do ventre

*

condenado

líria porto

trancafiou o amor
impediu-o de ir e vir
de conhecer-se no espaço
e o pássaro cativo
esqueceu as próprias asas
já não sabe assobiar
ficou triste triste triste
quer sequer comer alpiste
recusa-se a beber água

*

monotonia

líria porto

na encosta da montanha
de olho no pôr do sol
maria lua vivia
sua vidinha sem nuvem
a fazer poesia
sem sentir solidão
:
tudo com bolinhas
do mesmo corte

*

quinta-feira, 22 de novembro de 2012

raios

líria porto

não deve ser tão ruim a longa noite sem fim
no que de mim depender vou esperá-la
de pé

*

cúmplices

líria porto

teu olhar qual uma adaga atravessa pensamentos
adivinhas-me num momento e se tento disfarçar
tu me abraças e me consolas

*



história da carrocinha

líria porto

o príncipe virou sapo
o amor ressentimento
a relação foi pro brejo
e a princesa dá duro
para sustentar os filhos

(o real é proletário
e o tal do romantismo
um caso policial)

*

anos de chumbo

líria porto

dói-me dentro
dói-me fora
entre também dói

tem um medo que me rói
tem um peso que me mói
uma pata de cavalo
um quepe de general

*

tirana

líria porto

não deve ser tão ruim
no que depender de mim
vou esperá-la de pé

*

domingo, 18 de novembro de 2012

de coração

líria porto

as promessas
os adiamentos a decepção
mesmo que eu não queira
o que era belo
põe-se como um zero
à esquerda

(esperei sentada)

*

sábado, 17 de novembro de 2012

destino

líria porto

por onde caminho
meu pé abre a picada

*

sexta-feira, 16 de novembro de 2012

a rosa

líria porto

desabrocha depois despetala
e por uns momentos o seu cheiro
paira
:
alegrias não perduram
nem tristezas

*

quinta-feira, 15 de novembro de 2012

dilema

líria porto

todo poeta vive na berlinda
sem saber ao certo se dá
ou desce

*

bolor

líria porto

sobre as telhas das casas antigas
sob as cabeças ultrapassadas
o mofo dos conservadores
dos que só pensam
em si

*

con_sorte

líria porto

ela escreve o poema do amor perdido
ela escreve o poema do amor achado
eu não perdi nem achei um amor
e escrevo um trevo
de quatro
rolas

*

quarta-feira, 14 de novembro de 2012

passarinhos

líria porto

peixes criaram asas fizeram ninhos
e viraram o mar de pernas pro ar

*

falta de jeito

líria porto

o vento com seus gestos bruscos
derruba as mangas verdes e assusta
os passarinhos

*

extermínio

líria porto

um canto sem corpo
a alma de um pássaro
um ninho vazio a chocar
solidão

*

poeminha

líria porto

dona terra espera
a visita da comadre chuva
que se esmera em tecer para ela
mantas e lençóis d'água

*

domingo, 11 de novembro de 2012

crítica

líria porto

escreveu um crivo
e cravaste uma cruz nas crostas
do escriba

*

sábado, 10 de novembro de 2012

empate

líria porto

só te traí uma vez e porque era verdade
ela fala  também eu só te traí uma vez

foram duas as garotas ele retruca
eu não  foi um teu amigo
mas em dose dupla

*

abdução

líria porto

fez amor com o verde
e tudo que há e ouve
engravida-a
:
a couve

*

gravidade

líria porto

a pedra atrai o mar
com olhar grávido/agudo
e o mar invade a gruta
:
entra e sai
entra e sai

*

sexta-feira, 9 de novembro de 2012

pesadelo

líria porto

caiu da cama e sem rede
espatifou-se no escuro
então escreveu no muro
fechado para embalanço

*

quinta-feira, 8 de novembro de 2012

valorização

líria porto

ultrapassar-se
saltar à frente de si mesmo
tornar-se objeto de desejo
e de amor-próprio

*

ser_tão

líria porto

a nuvem atravessa o azul
e quando apeia é chuva
verdura no chão do mundo
milho feijão jerimum

*

português

líria porto

mandou-a plantar batatas
ela o fez –– ao pé da letra
e a colheita foi tão boa
que a mulher enriqueceu
viajou para lisboa
e arranjou outro amor

*

quarta-feira, 7 de novembro de 2012

ausente

líria porto

nem todo poema é prolixo
tem dia que é um suspiro
um olhar fixo no nada

*

o quê?

líria porto

o tom pode distorcer-se – zum zum zum
pôr abelha em nosso ouvido

um zunido

*

mundana

líria porto

a mulher da minha vida
sem a qual sequer respiro
a que caminha comigo
e me apoia até nos erros
essa dos meus pecados
que me conhece os segredos
e gosta dos meus amigos
e ama os meus amores
essa mulher meio louca
da qual também desconfio
poderá roer-me as unhas
e até morrer por mim
essa mulher em ruínas
essa tal de líria porto
tem meu corpo
tem meu nome
tem meu endereço

*

terça-feira, 6 de novembro de 2012

carranca

líria porto

a língua míngua o silêncio espalha-se
a culpa é tua que não falas  engoles seco
e te mostras tão amargo

*

segunda-feira, 5 de novembro de 2012

resgate

líria porto

mas porém houve um sujeito
ele me tomou de mim
transformou-me em borralheira
até me quis princesinha
trapo-bucha-amélia-gueixa
qualquer coisa

eu fiquei tão transtornada
já não pensava em mais nada
a não ser no grão-vizir
em servir sua majestade
deixar que ela ultrajasse
minha alegria meu riso

olhei-me então no espelho
e não me reconheci
levantei as sobrancelhas
rodei sobre os calcanhares
exclamei – vou me buscar
:
eu me achei
estou aqui

*

dedicação

líria porto

chegou mesmo a ver estrelas em plena noite chuvosa
e seu amor se esmerava realizava milagres
retirava-lhe a tristeza enxugava-lhe a lágrima
transformava espinho em pétala

*

domingo, 4 de novembro de 2012

a felicidade

líria porto

dá-nos esperá-la sentados
que de pé o cansaço monta

*

nos nervos

líria porto

além de maiúsculas pontuação gerúndio
birra por adjetivos
(sempre tão explicativos)
e por advérbios
(estes fofoqueiros com suas informações
de quando como
e onde)

*

bairrista

líria porto

colher rastelar abanar o café
deixá-lo espalhado ao sol até que seque
triturar a casca limpar torrar moer coar e servir
com queijo de minas

*

vantagem

líria porto

tinha um lugar à mesa
mas depois que ficou velha
e com tantas cadeiras disponíveis
muda de posição
:
vê a vida
por muitos ângulos

(uns agudos outros obtusos)

*

en_carregados

líria porto

a existência tem duas portas  uma de entrada uma de saída
uma entregue à vida outra entregue à morte e a sorte é que as duas
são pontuais

*

sábado, 3 de novembro de 2012

luxenta

líria porto

adoro morar comigo
fazer-me toda vontade
mimar-me ao infinito
ser minha mãe avó tia
por um ano um mês
um dia

depois fico insuportável

*

benta

líria porto

atiça o fogo do padre
fá-lo sentir-se bonito
o corpo inteiro se excita
o padre beija-a abraça-a
morde-lhe o lábio o mamilo
faz crepitar a basílica

*

sexta-feira, 2 de novembro de 2012

sobressalto

líria porto

um estampido
pulei da cama
pensei num tiro
numa tragédia
:
por que não
num balão
de festa?

*

quinta-feira, 1 de novembro de 2012

deslembrar

líria porto

o verso me abandona – isso não se faz
nós passamos juntos quase a vida toda
eu o socorri nos dias de modorra
foi-se da memória sem olhar pra trás

*

dedicatória

nus descampados (im)puros
fiamos o plenilúnio

(líria porto)



*















quem tem pena de passarinho
é passarinho

(líria porto)

Arquivo do blog