quinta-feira, 30 de junho de 2011

larápios

líria porto

o céu aqui e o inferno
ali-babá

*

supermercado

líria porto

homens comuns compram supérfluos
:
super-homens compram farinha
carne seca e jerimum

*

quarta-feira, 29 de junho de 2011

degelo

líria porto

eu já era uma mocinha
fazia xixi na cama

o tal cheiro d'amoníaco
me matava de vergonha

mas fechar a torneirinha
na melhor hora do sonho

como?

(eu tinha vontade líquida
e alma muito tristonha)

*

terça-feira, 28 de junho de 2011

haicaio

líria porto

estado de coma
a poesia me alimenta
por veias e artérias

*

côncavos convexos

líria porto

para parir um poema
precisamos – nus – engravidar
letra pós letra

*

greta

líria porto

lua míngua
uma vírgula um riso uma pausa
entre um tango e uma valsa                    

*

domingo, 26 de junho de 2011

topo

líria porto

para se alcançar a felicidade
precisa-se escalar paredões imensos
e tudo durará uns breves
momentos
:
o suficiente
pra justificar
a vida

*

corda bamba

líria porto

ora balanço ora me equilibro ora despenco
não consigo fazer verso eu não me atrevo
falta rima falta rumo falta remo
falta romance

*

vizinhança

líria porto

falam alto
aceleram motos e carros
o som é no último volume
quem quiser sossego
peça aos céus
pra ficar
surdo

*

incendiária

líria porto

no rol das palavras lindas
achas labaredas  línguas de fogo

*

esteira

líria porto

anda anda anda
e não chega
:
um caminho atado em um ponto fixo
a deixar-te frouxo sobre
o sacrifício

*

sábado, 25 de junho de 2011

o joio do trigo

líria porto

a surdez seletiva de vovô matava vovó de raiva
ouvia nossos cochichos - suas queixas
ignorava-as

*

voracidade

líria porto

nossos corpos gastos
flácidos
que a juventude rejeita
um dia serão os dela
o tempo é implacável

apenas não envelhece
quem morre precocemente

*

lamentável

líria porto

não tem uma ins_piração
não se comove por nada
ficou igual uma estátua
onde pombos pousam cagam
e ela nem repara

*

sexta-feira, 24 de junho de 2011

interior

líria porto

nestes morros verdejantes
meus olhos pastam com o gado
:
troco ruas e avenidas
por recantos

*

aliança

líria porto

as mãos de adélia as minhas as nossas manchas senis
esta mania de versos de garimpar as palavras
ai quem me dera eu pudesse alcançar a poesia
colocá-la em meu dedo – um anel
de compromisso

*

pasma

líria porto

eu quase não acredito
as minhas quatro bambinas
meus quatro bebês de vidro
desabrocharam mulheres
cada qual tão mais bonita
que as brancas de névoa

*

quinta-feira, 23 de junho de 2011

relativo

líria porto

contigo o tempo passa como um raio
sem ti ele se arrasta e não tem fim

*

terça-feira, 21 de junho de 2011

piruetas

líria porto

queria - não posso
ter um ninho próximo
ao teu

(faltasse-nos companhia
sentíssemos saudades
um voo e estaríamos
um com o outro)

*

taquicardia

líria porto

cem badaladas por minuto
:
é muito diz o doutor
é pouco o amor retruca

*

longeva

líria porto

sempre que a morte se aproximava
agarrava-se à vida com unhas
                                  e dentadura

*

sábado, 18 de junho de 2011

anonimato

líria porto

no cimento da calçada
descobri a data do dia
que nasci

pensei – serei eterna

fiquei velha
e nem a minha sombra
soube desse fato

*

sexta-feira, 17 de junho de 2011

versos para tonho

líria porto

todo menino envelhece
a não ser que arrisque a vida
ou então se precipite

todo velho é um menino
que ao soltar sua pipa
ainda sabe dar linha

*

quinta-feira, 16 de junho de 2011

autoridade

líria porto

o cão arrasta o homem pela corda
e nem abana o rabo

quem manda nessa relação?

*

inveja

líria porto

eu te eclipso
tu me eclipsas
não devíamos
:
cada qual
tem sua luz
e brilha

*

sólida é a nossa solidão

terça-feira, 14 de junho de 2011

séria

líria porto

se a miséria lhe permitisse
se a féria do dia lhe trouxesse a matéria
se não fosse pilhéria o tal do salário mínimo
:
já não é mais doméstica
vende o que tem entre as pernas
compra o sustento dos filhos

*

insone

líria porto

zumbis não dormem
têm medo do sono
ou da morte?

*

segunda-feira, 13 de junho de 2011

matrimônio

líria porto

ela se empanturra
ele se embriaga

ai santo antônio
que praga

*

notívago

líria porto

a claridade o aturde
a tarde o atordoa
e quase como um morcego
um lobo um gato um jaguar
dorme com o sol a pino
desperta na escuridão

*

saídas

líria porto

é metade portuguesa
outra parte sua é turca
(tem jeitinho brasileiro)

quando a vida se bifurca
veste burca canta fado
ou samba na avenida

*

celebração

líria porto

no coro da igreja
freiras prendem o corpo
e soltam a voz

o padre 
       ergue a hóstia

*

domingo, 12 de junho de 2011

das descobertas

líria porto

precisou a ponte cair
para que soubéssemos
a melhor estrada a mais bonita
não é asfaltada – é de terra
batida

*

rabisco

líria porto

o amor que eu tenho é só um desenho
esboço malfeito d’alguma paixão
recolhida

*

sábado, 11 de junho de 2011

mundo cão

líria porto

um triz e a tristeza triscava beatriz
quis chorar depois riu –– paris era rima
e solução

( raimundo que o diga)

*

substituto

líria porto

preenche-me os vãos
dá-me muito gosto  fá-lo com competência
mas não é o meu homem

*

norte

líria porto

zezé – menino levado
tem pompas de filho único
nada aprendeu de limites
parece que pode tudo

zezé põe fogo na casa
mete a cara contra o mundo
com quatro anos de idade
é um menino sem rumo

quem pariu zezé o embala
não o prepara pro mundo

*

quinta-feira, 9 de junho de 2011

peleja

líria porto

por mais perigo que haja
por mais difícil que seja
o jeito é encarar a morte
quando a vida nos rejeita

*

quarta-feira, 8 de junho de 2011

saudade

líria porto

abraço a tua ausência
ela preenche meus braços
chego a sentir o teu cheiro
eu beijo o ar
                   e desfaço-me

*

segunda-feira, 6 de junho de 2011

cúmplice

líria porto

eu tenho um caso comigo
faço-me companhia
dou-me livros joias mimos
raramente há uma briga
quando acontece perdoo-me
levo-me a um passeio
permito-me breves namoros
e ao fim de tudo concluo
melhor para mim
só eu mesma
:
ainda bem que o consigo

*

quinta-feira, 2 de junho de 2011

miragem

líria porto

eu moro em casa com muro
tenho em mira um par de asas

tomara que a liberdade
não seja mera ilusão

*

quarta-feira, 1 de junho de 2011

o avião

líria porto

corro muito pego embalo voo alto
ultrapasso nuvens e montanhas
deixo carros caminhões bois ou cavalos
tão pequenos quais brinquedos
de criança
:
sou um pássaro de aço

*

dedicatória

nus descampados (im)puros
fiamos o plenilúnio

(líria porto)



*















quem tem pena de passarinho
é passarinho

(líria porto)

Arquivo do blog