segunda-feira, 28 de fevereiro de 2011

volúpia

líria porto

para a língua dos homens
grandes e pequenos lábios

para a boca das mulheres
pirulitos e picolés

*

curvas

líria porto

perdeu-se – anda em círculos
não acha o caminho de volta
e nem quer

acostumou-se à vertigem
e voltar para casa é viver
sob regras

*

sexta-feira, 25 de fevereiro de 2011

sonata à toa para um ateu

líria porto

estive por aí pelas veredas
busquei respostas como quem tem fome
não sabia eu quem inventara o homem
quem legara à flor pétalas de seda

ficava a pensar no início do mundo
quem pintara tantas tantas estrelas
vivia tão longe que ao percebê-las
minh'alma era seca o corpo infecundo

diz-me –– bem-te-vi –– teu canto sonoro
ele me fascina então eu te imploro
conta passarinho quem te deu a voz

ele cantarola olha para o céu
reza com fervor (eu tiro o chapéu)
e roga ao criador por todos nós

*

afazeres

líria porto

limpou o céu de manhã não passou pano direito
deixou leite derramar o azul ficou manchado
de nuvens pequeninas

*

quinta-feira, 24 de fevereiro de 2011

galã

líria porto

alain delon


 elã - de longe

*

quarta-feira, 23 de fevereiro de 2011

penitência

líria porto

ora prosa
ora versa
de joelhos
sobre
    o milho

*

escapatória

líria porto

enquanto a morte cochila
acordar é a glória

*

terça-feira, 22 de fevereiro de 2011

folga

líria porto

os rios caminham parados
e chegam ao mar sem deixar
o leito

*

extrato

líria porto

mudo tanto tanto mudo
procuro e não acho a minha fórmula
tão mudada
              quão definitiva

*

segunda-feira, 21 de fevereiro de 2011

farra

líria porto

pintura do poeta e artista marcos bastos
um canta outro canta
outro e outro
e os cães
e os pássaros
ajudam os galos
a fazer
          escândalo

*

domingo, 20 de fevereiro de 2011

recado

líria porto

se te tocar o vento durante a caminhada
e sentires um sopro um hálito
é meu verso louco
                              meu beijo diário

um toque
um código
um segredo

*

sábado, 19 de fevereiro de 2011

castelos de areia

líria porto

palavras fugidias
escorrem-se-nos entre os dedos
assoreiam e obstruem a poesia

*

sexta-feira, 18 de fevereiro de 2011

a bola da vespa

líria porto

adoro roupas de linho
passei anos sem usá-las
:
a ditadura da moda
massacra nossa vontade

*

quarta-feira, 16 de fevereiro de 2011

canavial

líria porto


queima corpos almas
e transforma em bagaço
os boias-frias

*

correio

líria porto

fulano de tal vieira
amor meu – coisas antigas
nem muito tem paciência
dá presença também não
eu fico nas entrelinhas
alegrinha da víbora

(quase é pior que nada)

*

terça-feira, 15 de fevereiro de 2011

um poeta à míngua

líria porto

ao abocanhar a poesia
qual um cão atrás de bolhas de sabão
estala-se o cristal

*

segunda-feira, 14 de fevereiro de 2011

pausa

líria porto


cantos de silêncio
me acalentam

*

sábado, 12 de fevereiro de 2011

re_visão

líria porto

o sol
espera
a passagem
d'aurora

(a lua
perdura
bonita
que dói)

*

sexta-feira, 11 de fevereiro de 2011

será?

líria porto

    um passo à frente
a alma atrás
    o corpo avança
depois retrai-se
    e nesta dança
neste compasso
    faz-se de conta
que a vida é fácil

*

projeção

líria porto

o menino vê a vida pelo umbigo da mamãe
a mamãe vê o menino em todo canto assobio
em todo riso ou lágrima

*

terça-feira, 8 de fevereiro de 2011

tamanho extra co'a leveza das plumas

líria porto

em março as paineiras
conhecidas nossas barrigudas
corpos cobertos de flores e espinhos
desfilam por praças e avenidas
cheirosas e roliças como nós
as antimanequins

*

bendito o fruto

líria porto

família de mulheres
(quatro filhas e uma neta)
:
a chegada de francisco
causará
           rebuliço

*

domingo, 6 de fevereiro de 2011

dó maior

líria porto

rio choro choro rio
lavaram dos meus olhos
toda a alegria

*

stromboli

líria porto

estrondo
um rombo vindo do fundo
assombro dentro de mim
pressinto bomba defunto
sombras do outro mundo
som saído da raiz

*

sábado, 5 de fevereiro de 2011

kate leoa

líria porto

vou te catar catarina
pôr um laço em teu pescoço
dar-te um osso suculento
uma cama maciinha
não vão te reconhecer
e se falarem de raça
estirpe ou pedigree
dize mesmo sem vergonha
sou vira-latas com honra
sou cachorra de família

*

parto

líria porto

vou desestar – não deserto
esbarro uns dias por lá
arranco espinhos dum cacto
depois revolto ri_acho-me
com francisquinho
nos braços
:
fui aparar o meu neto

*

sexta-feira, 4 de fevereiro de 2011

lual

líria porto

hoje tem festa
não sei o que visto

põe roupa de estrelas
de mar com peixinhos

ô mãe não chateies
não brinques comigo

ah filha esta vida
é parque é recreio

e tu és bonita
de todo jeito

*

como?

líria porto

sou assim assado
não sei como nem porquê
porém todavia contudo
por mais ou por menos
afundo razoável

*

quinta-feira, 3 de fevereiro de 2011

existir

líria porto

nem fácil nem difícil
: possível

até que se pise na risca

*

quarta-feira, 2 de fevereiro de 2011

melado

líria porto

queimou-me as calorias
fez-se doce a noite inteira
gravidou-me de suspiros
tal amor de confeiteiro

*

pra o brejo

líria porto

deixarei o sapo em paz
pois perdi a esperança
de que com tamanha pança
e nenhum cavalo branco
meu amor se torne príncipe
e eu princesa

*

sem dó nem ré

líria porto

enviuvou-se pela quinta vez
matou os zangões rombudos
agora só quer um libélulo
de asas translúcidas

*

terça-feira, 1 de fevereiro de 2011

conjugais

líria porto

eu lavo cozinho
tu passas
:
amarrotada
necessito
férias

*

dedicatória

nus descampados (im)puros
fiamos o plenilúnio

(líria porto)



*















quem tem pena de passarinho
é passarinho

(líria porto)

Arquivo do blog