sexta-feira, 31 de outubro de 2008

manivela

líria porto

olhos vagos passos trôpegos
dedos trêmulos
quis voltar atrás
estrada sem retorno
caminho percorrido
foz de rio

*

quinta-feira, 30 de outubro de 2008

desentendimento

líria porto

disse-me poucas e boas
falei-lhe muitas
e péssimas

*

filosofia

líria porto

frida foi à feira à fábrica à farmácia
enfrentou fila
fartou-se de feijão farofa frango frito
anfetamina fenilefrina fenilanina
frustrou-se
ficou frágil e infeliz

falei-lhe – frida faz-me o favor
afrouxa a face flauteia flui
afirma-te

viver é outra coisa

*

quarta-feira, 29 de outubro de 2008

oxalá

líria porto

nuv'encorpada
igual uma barca
vagueia no ar

o bafo de fogo
mormaço quentura
quem atura?

ô mandachuva
manda brasa
manda água
água
á
g
u
a

*

sexta-feira, 24 de outubro de 2008

da esperança

líria porto

prestes a cair
o velho se levantava
plantava rosas vermelhas

olgas

*

culpa

líria porto

aquela mulher miserável
a remexer o lixo
fez-me sentir vergonha
do nosso estilo
de vítima

*

quinta-feira, 23 de outubro de 2008

escaravelho

líria porto

anda a vida por aqui a passos largos
não consigo alcançar as próprias pernas

em tempo tão curto paguei muito caro
finaram-se cinco sextos da minha espécie

*

recesso

líria porto

comer dormir e sonhar
usar chinelo de pano
roupa larga leque de abano
rir da morte das desgraças
andar de cara lavada
deixar que a vida te faça
afagos de vez em quando

*

cor-de-rosa

líria porto

chamas de homem de cor
quem coroar a cordilheira
ousou sem pedir licença

*

sobrevivente

líria porto

levei um tiro
entrou no ouvido
foi por um triz

bebi veneno
agora quero
dropes de anis

eu sou não muito
um quase tanto
porém feliz

a missa é omissa
mas meu pecado
é só preguiça

chega domingo
voo ao mercado
pinga e linguiça

ao fim the end
au revoir c'est fini

(tanto faz dar na cabeça
quanto na cabeça dar)

*

contorno

líria porto

teus braços
a exata medida
do meu manequim
:
não sobra nem falta
um milímetro

*

pretensiosa

líria porto

meio sábia
meio cética
meio cínica
meio sóbria

súbita

(quatro meios
de se achar
o dobro)

*

a poesia

líria porto

acaricio-a
ela finge me querer
mas dorme com uns
com outras
bígama mundana
lésbica
:
puta com cara
de santa

*

quarta-feira, 22 de outubro de 2008

altar

líria porto

tal como o padre ergue a hóstia entre os dedos
o sol se levanta atrás da montanha
e consagra a manhã

*

preocupação

líria porto

persigo um cisco preto
não sei se ponto ou se letra

fecho o olho ele aparece
abr'olho ele se esguelha

ninguém dorme sossegado
com a pulga atrás d'orelha

*

arrepio de morte

líria porto

afastou-se de mim
afastei-me dele
e aquela história de pele
foi para o espaço

sorte nefasta que afasta de nós
o prazer

*

segunda-feira, 20 de outubro de 2008

divisão de tarefas

líria porto

amor
limpa por favor a geladeira

não me sobrou um queijinho
cerveja laranja pudim tomate
ou pedaço de pizza

*

domingo, 19 de outubro de 2008

viúva negra

líria porto

a aranha ruiva
contrasta com luto
combina com lágrima
atiça os marmanjos
remexe com_padre

*

rede

líria porto

(versos para lui)

o corpo balança ao sabor do vento
apascento as tristezas as preocupações
durmo ao relento releio drummond

o sonho passeia na praia de santos

*

mormaço

líria porto

a corda o laço
o pescoço o passo
o impacto

o corpo lasso
solto no paço
da solidão

*

sábado, 18 de outubro de 2008

ai meu pai

líria porto

(para fátima queiroz)

na pedra
dentro da sua couraça
a dor mais antiga da terra

a dor de existir

no rio
a pedra deitada em seu leito
chora e soluça calada

é dor resistir

*

terça-feira, 14 de outubro de 2008

tiete

líria porto

(versos para nana)

tua arte_manha para me envolver
deu caldo

eis-me aqui defronte
teu poema errante
cujo alvo ainda
baba

*

pacote

líria porto

desde que se entende por gente
considera parente
bem desnecessário

*

domingo, 12 de outubro de 2008

estupefata

líria porto

traíste-me partiste parti-me
puta que pariu fiquei tão triste
devia ter ficado indignada

*

sábado, 11 de outubro de 2008

surto

líria porto

a mim não me importa
se o verso é curto se a rima é torta
se a morte furta o calor do corpo
o sangue o suor

prossigo absorto a tirar da aorta
o ardor a força e persigo a sorte
por sentir que a vida tem norte
e tem cor

*

traição

líria porto

a ferida jorra
chaga aberta em minhas costas
suja o chão de vinho

bebo o sangue do barril
à pura que te pariu

*

quarta-feira, 8 de outubro de 2008

bisturi

líria porto

poeta
nau frágil
mar de emoção

navegar é preciosismo
escrever é precisão

*

terça-feira, 7 de outubro de 2008

rouquidão

líria porto

se a pena emudecer
quero um bico um gorjeio um assobio
um rio pra rimar remar mudar de rumo
um amor roma romã
avessos e direitos

*

segunda-feira, 6 de outubro de 2008

fumaça

líria porto

queimou-se como vel(h)a
perdeu cera forma pavio
a c(h)ama ficou pouca
e agora
na penumbra
não deslumbra
nem son(h)a

fuma

*

domingo, 5 de outubro de 2008

(c)asa de avó não pode ser pequena
e precisa ser i-n.e.s-q.u.e-c.í-v.e.l
*

sexta-feira, 3 de outubro de 2008

boteco

líria porto

na quina da rua
a tonta da lua
fazia ponto

igual uma puta
naquela disputa
de homens

*

réstia

líria porto

dorme tima

o sol lateja
mina purpurina

a manhã é linda
por si sol

*

quinta-feira, 2 de outubro de 2008

hummmmm

líria porto

lavo tomates maduros
levo-os ao forno e asso
depois amasso-os tempero-os
e faço o molho da massa

*

sirene

líria porto

todo dia ao fim da tarde
sinto um aperto um alerta

o lusco-fusco me ap(r)onta
a grande noite se acerca

*

dedicatória

nus descampados (im)puros
fiamos o plenilúnio

(líria porto)



*















quem tem pena de passarinho
é passarinho

(líria porto)

Arquivo do blog