terça-feira, 19 de fevereiro de 2008

cooper

líria porto

seguia eu sempre alerta
como manda o figurino
minh'alma qual peregrino
caminhava atrás de mim
pensei em ti passarinho
a bicares-me o umbigo
num dia frio

finquei o pé insisti
prosseguia peito aberto
na largueza da avenida
pensava na nossa vida
eu aqui tu por aí
e a saudade sem-vergonha
emparelhou-se comigo

deu vontade de chorar
perdida na turbulência
fiquei triste cabisbaixa
a matutar vida besta
eu te quero tu me queres
podia ir te buscar
não dou o braço a torcer

briga tola aquela nossa
ciúme de folha morta
coisa pouca corriqueira
e foi nesta brincadeira
que tropecei
e caí

*

sábado, 16 de fevereiro de 2008

festejo

líria porto

no velório
estavam presentes
a viúva uma uva
alguns parentes
e mil pretendentes

muitas coroas
muita conversa
muitas saudades
muita bebida
muita paquera

*

sexta-feira, 15 de fevereiro de 2008

quebra-mar

líria porto

postou-se alguém entre nós
vejo-lhe a sombra

e tu não me olhas nos olhos

*

terça-feira, 12 de fevereiro de 2008

no jardim dos homens

líria porto

nasce uma flor
pequena
estranha o dia o calor
chora ao primeiro contato

que mundo é esse?

aqui é o útero da terra
contaminado violento
vieste ajudar-nos
a torná-lo belo

*

igualdade

líria porto

dispensamos dias especiais
agradecemos e recusamos homenagens
não nos contentamos com migalhas

*

segunda-feira, 11 de fevereiro de 2008

drible

líria porto

aquele perrengue
foi só arrelia
ela não o queria
estava carente
então insistiu
ele a recusou
tomou como ofensa
pediu implorou
e quando ele veio
jogou-o a escanteio
não o quis

feliz de quem foge
de miss

*

sexta-feira, 8 de fevereiro de 2008

de aluar

líria porto

a pupila do céu
a esbugalhada madrugada
a noite sem breu
:
podemos morrer
a qualquer momento

*

entrelinhas

líria porto

cada fibra do corpo retesada
como a corda de um violino

iria a marte aos anéis de saturno
vestido em gás neon

um estampido um naufrágio
o arrepio que a morte traz

o vírus do amor

*

cascata

liria porto

na garganta da pedra um grito
cuidado não corras tu vais tropeçar
cair desse alto sujar toda a água

*

inferno

líria porto

acontece que a mãe
de tão ocupada
sem tempo pra nada
dez filhos pequenos
deixou a esperança
queimar na fornalha

*

quinta-feira, 7 de fevereiro de 2008

de camisola ou pijama

líria porto

derrama o corpo na cama
igual mato se esparrama
em terra úmida

( dorme com as galinhas)

*

surreal

líria porto

amei palito
e o amor atrito
ruiu-me

depois foi um rei
havia uma lei
que mo proibiu

então amei peixe
ele me pediu
me deixes
e afogou o rio

amei azeitona
ele tinha dona
cantava tão bonito
ia e vinha à tona
tão verde

minha vida é isso
um feixe de lenha

*

dedicatória

nus descampados (im)puros
fiamos o plenilúnio

(líria porto)



*















quem tem pena de passarinho
é passarinho

(líria porto)

Arquivo do blog