quarta-feira, 29 de agosto de 2007

friagem

líria porto

tão longas as noites de inverno
e a terra
envolta em luar e em saudade
leva-me a pensar que a vida
embora bela
cantada e decantada pelos poetas
não vale o quanto pesa-me

*

sexta-feira, 24 de agosto de 2007

na despedida

líria porto

num ímpeto
deitei sobre teu corpo
meu agasalho

faz frio
veste-me com teus braços
dá-me conforto

*

sabedoria

líria porto

envelhecer como um bom vinho
sem avinagrar

*

segunda-feira, 20 de agosto de 2007

passarela

líria porto

tão leves quais borboletas
a pele da cor da palha
parecem as folhas secas
que o vento espalha

voam perto dos meus olhos
conseguem m'impressionar
mulheres estas mulheres
sexo forte
                sexo (fr)ágil?

*

calúnia

líria porto

maledicentes são víboras
movidas por seus resíduos

têm sempre dentro boca
nossa honra nossa estirpe

disseminam a discórdia
o ódio a ira a insídia

sua língua bipartida
age solta impiedosa

como o veneno das cobras
e o fedor das latrinas

*

domingo, 19 de agosto de 2007

mortalha

líria porto

coração e pulmões paralisados
dedos amarrados sobre o peito
basta-me o lençol

(cheiro de flor velha me incomoda)

*

quinta-feira, 16 de agosto de 2007

suave

líria porto

a pétala
c
a
i

o chão apara-a
s i l ê n c i o

*

a árvore

líria porto

reclama do vento que vem lá do sul
as folhas têm medo agarram-se às galhas
e tremem

*

domingo, 12 de agosto de 2007

doces

líria porto

quem gosta
quem se habilita
pode provar
aprovar
jabuticabas bonitas
como os olhos de anita
colhidos pela manhã

*

modéstia

líria porto

terra areia pedra
há todavia no (en)canto
o insondável
minério

*

sexta-feira, 10 de agosto de 2007

desastre

líria porto

pelos caminhos curvos acidentados perigosos
corações confusos olhares turvos
gestos descuidados

*

quinta-feira, 9 de agosto de 2007

para o bem e para o mal

líria porto

não fora a loucura de alguns
o mundo seria como no dia
da criação

*

re_banho

líria porto

de anágua
deixava-o perplexo e nem percebia
que ele a comparava
co'as cabritas

a moça n'água

*

adolescência

líria porto

rosa tinha cravo
eu tinha espinha

*

quarta-feira, 8 de agosto de 2007

(in)compatíveis

líria porto

de todos os defeitos
o que mais combato
é esse teu hábito
de apontar defeitos

de todas as virtudes
a que mais aprovas
é minha vontade
de te perdoar

postos na balança
tantos prós e contras
seguimos tecendo
nosso faz de conta

até quando?

*

domingo, 5 de agosto de 2007

in_verdades

líria porto

fisgada na língua igual um anzol
um susto uma cisma deixou-a no atol
quem segue uma rima tal qual girassol
à noite desdiz-se até o arrebol

*

secular

líria porto

a pedra é dura
a pedra é jura
a pedra é fé

a chuva é leve
a chuva é neve
a chuva é reza

a vida é tensa
a vida é bênção
a vida é

*

sábado, 4 de agosto de 2007

flores

líria porto

ao subir a minha serra
pergunto ao ipê amarelo
por que sóis?

*

quinta-feira, 2 de agosto de 2007

orgulho

líria porto

eu mesma me curo desobstruo os canais
renovo os caminhos

se acaso há fissuras as talas do brio
seguram a estrutura

estou quase

*

quarta-feira, 1 de agosto de 2007

prosa de canteiro

líria porto

a borboleta amarela
parece ter duas pétalas
no lugar das suas asinhas

voa ali perto das rosas
tão bonitas tão cheirosas
e todo dia as visita

as rosas têm o perfume
a borboleta o costume
de levar boas notícias
:
caras rosas ainda ontem
ao voar com os colibris
encontrei as margaridas

estão bem borboletinha?
sim estão  mas perfumosas
só conheço as senhoritas

*

dedicatória

nus descampados (im)puros
fiamos o plenilúnio

(líria porto)



*















quem tem pena de passarinho
é passarinho

(líria porto)

Arquivo do blog